Amor-Perfeito

"Eu me deito e durmo; acordo, porque o Senhor me sustenta" – Salmo 3: 5.

Filipenses 3: 20.

* 1mVersículo 1aVerdade *

“Mas a nossa pátria está nos céus, de onde esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo, (…)” – Fp. 3: 20.

Engraçado. Nós nascemos sem aviso neste Mundo, sem podermos escolher nada. E quando deixamos o útero de nossas mães, começa uma “contagem regressiva” para a morte, que chega igualmente sem aviso. A vida é um sopro, nos diz a Bíblia Sagrada, uma sombra que passa e um vapor que evanesce. É verdade: ela, a vida, passa rápido. O tempo “voa”. Somos o que somos, pois, não escolhemos aparência, classe social, família, dons, atributos, destino, nada. No início, quase sem consciência, e depois, aos poucos, galgando os anos, nós vamos adquirindo pé da situação, nos situando. Depois que damos os primeiros passos e esboçamos as primeiras palavras, passamos a manifestar alguma vontade. A partir disso passamos a ter alguma possibilidade de escolha, especialmente entre fazermos o bem ou o mal. Repare-se que nós jamais temos escolha total na vida, nem tampouco controle algum sobre ela. Viver é uma aventura sem garantia alguma. Bem, pelo menos sozinho, sem Deus Pai.  

Certa vez participei de uma reunião cristã entre brasileiros e americanos. Era uma sala ampla, com cadeiras dispostas nas laterais, de modo que todos viam os demais em um quase círculo. Não me recordo quantas pessoas havia, mas me lembro de que eram somente homens, talvez, umas 30 ou 40 pessoas. Em determinado ponto da reunião uma discussão se acendeu: a questão da origem da cada um. Alguns orgulhosos de serem norte-americanos e outros, de igual forma, por serem brasileiros. E os pontos “prós” e “contras” começaram a serem postos e disputados, de maneira que a coisa acirrou e quase houve desentendimentos. Só não terminou mal porque alguém com mais lucidez lembrou a todos qual seria a nossa Pátria verdadeira: o Reino de Deus. Estados Unidos ou Brasil, e qualquer outro país, seriam deixados para trás com a morte física de cada um, a seu devido tempo. Assim foi que a disputa foi encerrada, mas não saí convencido de que todos estavam convencidos disso em seus íntimos. Alguns mantiveram o orgulho de ser de um ou de outro “lado terreno”. Mas não se falou mais nisso, depois disso, o que já foi uma vitória. 

O ser humano, fraco e frágil que é por natureza, sempre se alia a algum grupo, ou busca suporte em alguma coisa que faz, tem ou é. Para se sentir melhor, aumentar sua autoestima, e até para se sentir superior a alguns outros. Muitas vezes até, só para passar o tempo. Quem busca algum sentido na vida, sofre e pena bastante. Na modernidade em que vivemos padecemos de várias doenças do espírito, como depressão, síndrome do pânico, ansiedade e outras do gênero. É o que dá viver no turbilhão de hoje em dia. A competição e o consumismo nos esmagam sem dó. Acho que vivemos na sociedade da informação, cujo dano maior é sabermos de tudo um pouco, sem nos aprofundarmos em nada. É tudo muito superficial e raso à nossa volta. As pessoas estão se tornando cada vez mais assim, na medida em que se resguardam dos outros e se enfurnam no mundo virtual, no mais das vezes falso e utópico. Muita gente, de outra sorte, assume bandeiras e ideologias, que passam a defender a ferro e fogo, fazendo loucuras e estultícias em nome de absolutamente “nada”. Continente. Região. País. Estado. Cidade. Bairro. Rua. Time de futebol (qualquer esporte). Política. Religião. Igreja “a”, “b”, ou outra. Preferência sexual. Gênero. Espécie. Tipo. Esquerda. Direita. Centro. E mais um monte de coisas sem sentido. Todas transitórias (Mateus 24: 35).

O que você faz ou prefere? No que você acredita? Já encontrou sentido para a vida? O que você encontrou para fazer para “passar o tempo”? Como você “gasta” a sua vida? Você tem “fome” de quê? Você tem orgulho de quê? Do que você tem, é ou faz? Até quando você terá, será e fará? Tem orgulho de ser deste ou daquele país? De torcer para tal time de futebol? Ou qualquer outra equipe de outro esporte, tanto faz? Qual é a sua  “tribo”? Já pensou nessas coisas todas? Sim? Não? Convido você a refletir sobre o efêmero. Você é efêmero (na carne). Eu sou efêmero (na carne). Efêmero é tudo o que perdura por certo tempo e depois deixa de existir, ou passa. Tem importância e relevância meramente transitórias. (Ou não, em Jesus). O mais rico e poderoso até o mais simples do povo, qualquer povo. Pessoas más. Pessoas boas. Pouco importa. O Mundo não para quando alguém o deixa. Brinco, segundo minha idade, que daqui a 50 anos eu não terei mais problema algum… Daqui a 50 anos nada mais que me faz sentido hoje, me fará sentido, pois, por motivos óbvios. Meus problemas de hoje simplesmente inexistirão. Eu estarei morto (com Jesus, espero), ou serei um velho de mais de 100 anos, próximo da morte, de todo modo. Acho que o sentido da vida é ser bom, justo, íntegro e verdadeiro. E ser de Jesus. Faça o que tiver de fazer nesta vida. Porém, quer dar sentido a ela? Pois bem, então: olhe para os Céus, onde está a nossa Pátria! E viva em função Dela!

© Amor-Perfeito

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: