Amor-Perfeito

"Eu me deito e durmo; acordo, porque o Senhor me sustenta" – Salmo 3: 5.

Provérbios 16: 1.

* 1mVersículo 1aVerdade *

“Ao homem pertencem os planos do coração, mas do Senhor procede a resposta da língua” – Pv. 16: 1.

Este verso me desperta a lembrança de uma palavra rara nos dias de hoje, e muitos me tomarão por louco, de início, por tal palavra aparentemente não corresponder à ideia da frase: gratidão. Por certo, eu vou explicar o porquê de gratidão ter “brotado” em meu coração. O caso é que uma das coisas que temos em comum (digo, do ser humano em geral) é o hábito de fazer planos e de ter expectativa quanto ao mais variados sonhos. Nós nos planejamos para ser, ter ou fazer isto ou aquilo, e nem sempre conseguimos cumprir a nossa “agenda”. Quanto antes aprendermos que é da nossa natureza o planejar e o sonhar, mas a “agenda” é de Deus, tanto melhor para nós. E é assim que acontece: Deus Pai nos guia pelas veredas da vida, segundo critérios que desconhecemos, apesar de sabermos que o Senhor é bom, justo, e galardoador. Por vezes, conseguimos atingir as nossas metas; outro tanto de vezes, nos frustramos por algo querido, mas não realizado. É o normal da vida.

Não tenho tudo que amo, mas amo tudo o que tenho”. Quem ainda não leu esta frase na traseira de um caminhão? Pois é, a grande maioria de nós está nessa situação, senão todos, mesmo os endinheirados. Afinal, nem tudo o que se pode possuir nessa vida é bem material. Bens materiais se perfazem em parte, apenas, daquilo que podemos obter em vida. Posso concordar que seja uma parte mais (digamos) substancial, e, talvez, seja a maioria dos “pedidos” em oração a Deus. “Senhor, em nome de Jesus, quero isso, por favor, faça com que eu receba tal bem”; “Pai, o Senhor sabe, eu preciso daquilo, então, conceda a mim meu pedido”; e por aí vai… Contudo, sejam bens materiais ou não, o Senhor sabe melhor do que nós o que nos fará bem ou mal. Assim, segundo Seus critérios e vontade, indiscerníveis, Ele nos concede bens, estados, condições e situações, até pessoas. Do mesmo modo, Ele não nos concede, por mais insistência nossa em orar a respeito da questão. Muito do que nós almejamos não será bom ou útil para nós, e nos trará mais embaraços e transtornos do que serenidade e satisfação.

E aqui está a explicação do por que “gratidão” veio à minha mente quando li o verso: nós devemos agradecer ao Pai pelo que temos e pelo que não temos; devemos gratidão a Deus por ouvir nossa oração e nos conceder algo, tanto quanto negá-lo. Nossas orações, bem, o Senhor as ouve todas, mesmo as “ladainhas” e “pré-prontas”, mas Ele não nos atende em todos os pedidos, fato. Primeiro porque Deus Pai não é o “gênio da lâmpada”, que está à disposição para fazer acontecer todos os nossos caprichos. Segundo, porque, como dito, Deus, que é Pai, não nos dará coisas e situações nas quais correremos o risco de nos perder, e de nos afastar Dele. Por fim, outro fato, Ele sabe o que é melhor para cada um de nós, que somos diferentes e temos as nossas diferenças, perante Ele e os homens. Deus trata os iguais em essência com divina desigualdade, para que haja justiça e igualdade entre nós. Em suma, algo que é bom para certa pessoa, será um desastre para outra, e Deus, que conhece cada coração, nos priva daquilo que nos fará mal, assim como nos concede o bem, sem limites. E bem pode ser que o “bem” que eu quero não me fará bem. Esse “bem” o Senhor veta a mim. Veta a você. Não vetará a quem vier a fazer bem, realmente.

Existem coisas, no entanto, que só fazem mal. Não são essas que são colocadas aqui em discussão. O principal é ter gratidão a Deus pelas coisas que Ele nos dá e proporciona; e também devemos ter a mesma gratidão a Deus pelas coisas que Ele nos deixa de dar e proporcionar. Porque Ele nos conhece profundamente, nos ama, e quer somente o nosso bem. Nós não devemos deixar de confiar Nele, nem tampouco deixar de planejar e sonhar em nossos corações. O verso até nos diz que planejar (e sonhar) é conosco mesmo, nossa parte do “jogo”. Se Deus chancela os nossos planos e sonhos, ora, vamos deles desfrutar em paz e em alegria. Porém, de outra sorte, se coisas almejadas e queridas não nos são dadas, às favas com elas, ora bolas! Ao Deus de nossas vidas, gratidão! Sempre! Um dia de cada vez, mas nunca sem Ele! Façamos de nossas vidas um cântico de gratidão a Deus Pai, em qualquer circunstância. Confiemos Nele com a integralidade nossa, entrega total, sabendo que o fim das coisas, todas as coisas, sem exceções, desemboca Nele. E, nesse fim, só há bem e bênçãos, maravilhas.

© Amor-Perfeito

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: