Amor-Perfeito

"Eu me deito e durmo; acordo, porque o Senhor me sustenta" – Salmo 3: 5.

2 Coríntios 9: 11.

* 1mVersículo 1aVerdade *

“Em tudo sereis enriquecidos para toda a generosidade, a qual faz que por nós se deem graças a Deus” – 2 Co. 9: 11.

Talvez a generosidade seja um dom de Deus. Quando pensamos nessa palavra, ou na conduta em si mesma, logo somos induzidos a lembrar de dinheiro. Generoso é quem dá dinheiro a alguém, sem esperar ou pedir nada em troca. Doa desinteressadamente. É verdade: essa é uma das descrições da palavra. Mas o verso fala em “para toda a generosidade”. Ora, e por acaso há mais de uma? Sim, há. E pelo verso, há. Há vários empregos para a palavra, e um deles é “fartura”. Generosidade pode ser também traduzida em nobreza (de espírito e alma) e lealdade. Aquele que comumente se sacrifica em prol de outrem, do próximo, é alguém generoso. E a bondade acompanha essa pessoa, sempre. Fala-se em liberalidade do generoso, que partilha seus bens em benefício dos outros, mas aqui há um equívoco: o generoso não deveria ser conhecido e notado apenas por partilhar seus bens materiais.

Não. O generoso partilha seus bens e interesses. O generoso faz mais, faz a partilha de si mesmo: ele se dá, ele se doa, de corpo e alma. Se você não conhece ninguém assim, é uma pena! E as pessoas são, geralmente, seus maiores objetivos. Mas há outras causas (tão legítimas quanto) nas quais a generosidade pode ser vista e aplicada, dentre elas, a pessoa pode ser generosa com os animais e com o meio ambiente. Logo, generosidade é um sorriso, um aceno, um cuidado, um “ouvir”, um aconselhar, uma lembrança, uma menção, uma atenção, e um monte de outras coisas, e também é, claro, o ato de dar ou doar algum bem material ou dinheiro, de forma desinteressada. Melhor: não desinteressada, mas no interesse de que pela generosidade “se deem graças a Deus”, que o Senhor seja louvado (e conhecido, e lembrado, e celebrado) por atos dessa natureza.

Generosidade, pois, não é sinônimo de riqueza e dinheiro, tão somente. Devemos mudar em nossos corações esse conceito simplório. Há pessoas paupérrimas e generosas. Aliás, é mais comum encontrar generosidade no pobre. Generosidade é, em segundo lugar, algum ato material, sim, mas primeiro aparece no coração do generoso tanto a bondade como a compaixão. Generosa é a pessoa que tem o perdão fácil. Ah! Como eu queria ser generoso assim… E o verso nos ensina que os generosos serão enriquecidos, “Em tudo sereis enriquecidos”. Porém, muito cuidado, porque aqui o equívoco é mais fácil de ocorrer: a generosidade pobre e rasteira, interesseira, para nada serve, e, no mais das vezes, é Deus “mudando o curso do ribeiro para onde quer”. Deus manda, o cidadão obedece; mesmo sem consciência daquilo que faz. Esse tipo de “generosidade” não traz proveito algum a quem pratica o ato, porque a generosidade deve ser sincera. Deve partir conscientemente do âmago de quem a concretiza. Há que se ter, pois, comprometimento do ser com ela, caso contrário, generosidade não é.

Portanto, o generoso é enriquecido por Deus para multiplicar sua generosidade. Lindo! E, de novo, não confundir as coisas: dinheiro e riqueza são apenas faces da generosidade, dentre várias e várias outras. Assim é que o Senhor nos enriquece, e nos dá mais capacidade, seja esta qual for, para mais sorrisos, mais acenos, mais cuidados, mais oportunidades de “ouvir”, mais situações de se dar conselhos, mais lembranças, mais menções e atenções, e mais de um monte de outras coisas, e mais, também, nos enriquece para atos de dar e de doar bens materiais e dinheiro, de forma desinteressada. “Em tudo sereis enriquecidos para toda a generosidade”. A generosidade difunde o amor. O amor ao próximo. O amor geral, envolvente. Que flui e transborda… (João 7: 38). A generosidade gera gratidão. Traz paz. Alívio e sossego. Luz e alegria. O generoso não pode ser generoso se não ama o próximo. E a Deus. Só com amor no coração a generosidade é real. Duas coisas derivam espontaneamente, no entanto, da prática de atos de generosidade: satisfação pessoal e louvor a Deus (gratidão). São coisas lícitas e bem-vindas. Interesses idôneos de todas as partes. No mais, que o Senhor nos enriqueça para todo tipo de atos de generosidade, pelos quais, por nós, se deem louvores e graças a Deus Pai, em Jesus.

© Amor-Perfeito

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: