Amor-Perfeito

"Eu me deito e durmo; acordo, porque o Senhor me sustenta" – Salmo 3: 5.

Provérbios 29: 14.

* 1mVersículo 1aVerdade *

“O rei que julga os pobres conforme a verdade, firmará o seu trono para sempre” – Pv. 29: 14.

Se sintetizarmos o verso acima transcrito, diríamos que o rei deveria ser inteira e plenamente íntegro, e assim se conduzir. Integridade abarca honestidade, ética, boa-fé, lucidez, bom senso e o conjunto de todas as boas virtudes e princípios mais excelentes. Nesse passo, talvez não exista palavra “mais ampla” do que “integridade”, no sentido de conter essas coisas todas em seu significado. E ter compromisso com a verdade é, de fato, agir sempre com integridade. Outro dia ouvi de um amigo a seguinte frase: “A verdade tem que ser habitável”. Claro que ele estava brincando, e isso foi uma piada, mas, refletindo bem, há um fundo de coerência nisso. Não pretendo estimular ninguém a mentir (longe disso…), porém, é de se pensar em fazer valer a verdade em momento oportuno, com sabedoria (Mateus 10: 16 – 2.ª Parte; Lucas 24: 28).  

Deixar de dizer a verdade, de todo modo, é contar uma mentira. Não podemos nos iludir: uma meia- verdade nada mais é, igualmente, do que uma mentira. Há quem diga, aliás, que uma meia-verdade é pior do que uma mentira, visto que a meia-verdade é uma mentira “disfarçada” de verdade (potencialmente mais enganosa…). E em termos Bíblicos, uma mentira ou uma meia-verdade com o conteúdo da Palavra de Deus são situações piores e mais graves do que simplesmente faltar com a verdade, visto que se trata de elaboração de uma ou mais heresias. Nesse passo, falando da Bíblia Sagrada, a verdade não pode ser de forma alguma manipulada, distorcida ou retardada, visto que nós não temos o controle de seus efeitos nas pessoas, coisa que é particularidade de Deus, pelo Espírito Santo.  

Essa sempre foi a posição do Apóstolo Paulo em relação à pregação do Evangelho. E ele nos adverte, enfaticamente: Não ousaria dizer coisa alguma que Cristo por mim não tenha feito, para obediência dos gentios, por palavra e por obras, pelo poder dos sinais e prodígios, no poder do Espírito Santo. De modo que desde Jerusalém e arredores, até o Ilírico, tenho pregado o evangelho de CristoRomanos 15: 18 e 19. Nós não podemos fazer nem admitir qualquer coisa diferente disso. A pura verdade, “nua e crua”, é o que todos merecem ouvir e receber. Nada de mais, e nada de menos: só a verdade. Ainda que nem sempre a verdade seja agradável (mas é sempre boa e perfeita), contudo, devemos ter em mente que a verdade é sempre a opção correta e a melhor saída, em qualquer situação. Nessa matéria, portanto, não se admite a “verdade habitável”, nem como piada.

E o verso acima transcrito tem de ser interpretado de forma literal, claro, mas também há (sempre há) o aspecto espiritual. No passado Bíblico, nos tempos idos antes de Jesus, O Espírito Santo não havia sido “derramado em toda a carne”. Tal privilégio era dado a poucas pessoas, tais como reis, profetas e sacerdotes. Contudo, havia uma promessa de Deus para o futuro com relação a isso: Mas isto é o que foi dito pelo profeta Joel: Nos últimos dias, diz Deus, do meu Espírito derramarei sobre toda a carne. Os vossos filhos e as vossas filhas profetizarão, os vossos jovens terão visões, e os vossos velhos sonharão sonhosAtos 2: 16 e 17. E nós vivemos justamente dentro do período de tempo de cumprimento dessa promessa, isto é, muitos de nós já possuímos o Espírito Santo em nós, e qualquer pessoa tem acesso a Ele, por Jesus, se quiser.

A realidade é que hoje em dia, mais precisamente depois da vinda de Jesus (Dia de Pentecoste – Atos 2: 1 a 13), e fechado o “ciclo” Bíblico escrito (Apocalipse 22: 18 a 20), nós – aqueles que professam a fé em Deus, por Jesus – fomos alçados à categoria de “profetas”, vez que falamos com base na “Profecia” (Bíblia Sagrada – Provérbios 29: 18). E mais: fomos feitos também reis e sacerdotes, segundo a Palavra de Deus (Apocalipse 1: 6; 5: 10). Logo, para que “firmemos o nosso trono para sempre”, precisamos “julgar os pobres conforme a verdade”. E se a maior riqueza que um homem pode ter é o Senhor, “pobre” é aquele que não tem a Deus perto de si. Assim, se o “trono” do verso simboliza o “coração do homem”, e se o homem “julgar os pobres conforme a verdade” (se se firmar na verdade), esse homem viverá para sempre na presença de Deus Pai (firmará o seu trono para sempre!). Portanto, parodiando o juramento das testemunhas (Provérbios 19: 5 e 9) nos Tribunais Norte-Americanos: “Jura dizer a verdade, somente a verdade e nada mais do que a verdade, com a ajuda de Deus?” Resposta (estado de espírito…) certa, esperada e permanente… I DO!

© Amor-Perfeito

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: