Amor-Perfeito

"Eu me deito e durmo; acordo, porque o Senhor me sustenta" – Salmo 3: 5.

Salmo 19: 12.

* 1mVersículo 1aVerdade *

“Quem pode entender os próprios erros? Expurga-me tu dos que me são ocultos” – Sl. 19: 12.

Há um verso na Bíblia, muito esclarecedor, que na forma de pergunta afirma que ninguém é capaz de entender completamente o que se passa no íntimo de outra pessoa (1 Coríntios 2: 11 – 1.ª parte). É a mais pura verdade. Não é possível, portanto, adivinhar os pensamentos e anseios de outrem. Apenas a Deus está reservado esse poder e privilégio de “desnudar” o ser humano, e de “destrinchar” a mais profunda e pessoal esfera de privacidade de alguém. Apenas o Senhor é capaz disso.

E o verso acima transcrito nos ensina que mesmo dentro deste particular e inacessível círculo de privacidade (vedado ao conhecimento de nossos semelhantes), a própria pessoa tem dificuldade de entender os próprios erros, e mesmo de identificar alguns deles. Uma vez que o desenrolar do relacionamento de alguém com Deus Pai se dá justa e principalmente neste “ambiente interno”, extremamente privativo e naturalmente fechado, é correto afirmar que se trata de uma relação do tipo “eu e Deus”, unicamente. Talvez por isso o Rei Davi em seu Salmo pede a Deus em oração que o Senhor o expurgue dos seus erros ocultos, isto é, daqueles erros que ele, Davi, não conseguia identificar como erros.

A oração do Rei Davi, portanto, clamava pelo socorro de Deus na busca de lhe dar entendimento e mecanismos espirituais de autoanálise, para que pudesse entender seus erros e, oportunamente, corrigi-los. Em seu clamor Davi incluiu também os erros ocultos, provavelmente aqueles que talvez ele desconhecesse, e também aqueles provenientes de atos em que ele não vislumbrava erro algum (mas se estivesse Davi errado em algum ponto de sua vida, queria de todo modo se emendar). Ora, se o Senhor julgasse qualquer ato dele como errado, e ele disso não tivesse consciência, já pedia Davi o perdão. Parece que Davi temia desagradar a Deus em qualquer aspecto, e seu zelo por isso o impeliu a pedir pelo perdão de erros que talvez nem existissem. Davi amava a Deus, e seu pedido vinha da pureza (em certo sentido) de seu coração.

Como Davi, nós todos somos seres humanos com os mesmos questionamentos, as mesmas lutas internas, as mesmas dúvidas. Alguém já disse (e acho que com muita propriedade) que Deus nos julga pelas intenções de nossos corações e não pelos nossos atos. Fazer a coisa certa pelo motivo errado, por exemplo, não é ato válido perante o Senhor. Logo, a intenção do Rei Davi era boa e idônea. Resta-nos pedir a Deus idêntica disposição do Rei Davi: que Ele nos mostre os nossos erros, a fim de que nós possamos nos corrigir, e isso pelo amor e pela gratidão que devemos a Deus Pai. E quanto aos nossos erros ocultos, que o Senhor nos dê entendimento para identificá-los, se possível for, e nos dê chance de corrigi-los, também, se for possível. Em todos os casos que Ele nos perdoe, em Jesus. Há uma parte, no entanto, que depende somente de nós mesmos: a de ter boas intenções em nossos corações, e de sermos transparentes no nosso trato com Deus. Até porque, não há alternativa quanto a isso. Fato.

© Amor-Perfeito

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: