Amor-Perfeito

"Eu me deito e durmo; acordo, porque o Senhor me sustenta" – Salmo 3: 5.

2 Coríntios 5: 1.

* 1mVersículo 1aVerdade *

“Sabemos que, se a nossa casa terrestre deste tabernáculo se desfizer, temos da parte de Deus um edifício, uma casa não feita por mãos, eterna, nos céus” – 2 Co. 5: 1.

Esse verso é bastante rico e dá azo a muitas e muitas reflexões. A primeira versão do Templo de Deus foi o Tabernáculo, cuja característica mais acentuada era a mobilidade. Ele era montado e desmontado sempre que necessário fosse. E era transportado para onde quer que os Hebreus fossem. Assim, o Tabernáculo era um “santuário portátil”, no qual os Israelitas realizavam seus cultos durante a peregrinação no deserto. Quando montado, Deus ocupava o Santo dos Santos, local equivalente ao “coração” do Tabernáculo. E isso era também “sombra” do futuro, de como haveria de ser a morada de Deus adiante no tempo.

Entre uma coisa e outra, no entanto, na época dos reis de Israel, Davi quis construir uma Casa para Deus, que é o Templo a respeito do qual ouvimos falar, e que resta hoje em dia, em Jerusalém, depois de construções, destruições e reconstruções, apenas o Muro das Lamentações. A ideia do “santuário portátil” e da mobilidade, entretanto, sempre foi o formato que, de fato, agradava a Deus, de modo que o Senhor, por intermédio do Profeta Natã, externou a Davi Seu descontentamento com tal empreitada (2 Samuel 7: 1 a 7). E sabemos que o desfecho dessa história foi que Davi apenas concebeu a ideia da construção, mas a obra em si quem fez foi seu filho Salomão (2 Samuel 7: 12 a 16; 1 Reis, Capítulos 5 e 6).

E com a vinda de Jesus, volta à evidência a ideia de mobilidade. O Templo estava lá, em Jerusalém, firme e imponente, e até mesmo Jesus assentia que se tratava da Casa de Deus, conforme nos ensina a Bíblia Sagrada, por exemplo, pelo episódio da expulsão dos mercadores e dos cambistas (Mateus 21: 12 e 13). E Jesus, ainda, logo em seguida à dita expulsão, arguido sobre com que autoridade fazia aquilo, lançou mão de uma figura de linguagem utilizando-se do Templo para falar de Si mesmo, e passar a ideia de como as coisas seriam depois Dele: “Respondeu-lhes Jesus: Destruí este templo, e em três dias o levantarei de novoJoão 2: 19. E o Templo havia sido construído em 46 anos (João 2: 20), o que escandalizou os Judeus. Contudo, pela explicação do verso seguinte, o de número 21, vemos que nada mais era senão mais uma espécie de parábola de Jesus, seu modo usual de falar ao povo. E o “templo” mencionado por Jesus nada mais era que Seu corpo, ou “casa terrestre”, em alusão à Sua ressurreição. 

Ora, sabemos pela Bíblia que Deus é Espírito (João 4: 24). Logo, era o Espírito de Deus que ocupava o Lugar Sagrado, o “coração” do Tabernáculo, tanto o móvel como o fixo. E mais: Jesus dizia que quem O amasse, e guardasse a Sua Palavra, Deus o amaria, e Ambos (porque Jesus é Deus) nele fariam morada (João 14: 23). Quem viria até nós seria, pois, o Consolador, o Espírito Santo de Deus (João 14: 26). Isto é, o mesmo Espírito, que habitava no Templo móvel e no fixo. Assim, o Local Sagrado, o Santo dos Santos, onde estaria o Espírito, era o centro, o “coração” do Santuário de Deus. Então, Quem faz morada em nós é o Espírito Santo, e não há mais glória de Deus em “edifícios feitos por mãos humanas”. Nós todos, que cremos em Jesus, passamos a ser conhecidos como “Templos do Espírito Santo”, isto é, desde que os nossos corpos passaram a abrigar o Espírito Santo no coração (1 Coríntios 3: 16 e 17; 6: 19; 2 Coríntios 6: 16). Volta à cena, pois, a ideia de mobilidade, como dito. E, quando “… a nossa casa terrestre deste tabernáculo se desfizer, temos da parte de Deus um edifício, uma casa não feita por mãos, eterna, nos céus”2 Coríntios 5: 1. Quando morrermos, pois, nossos corpos terrenos se desfarão, mas ganharemos cada qual outro corpo, da parte de Deus Pai, desta feita celestial e incorruptível (1 Coríntios 15: 35 a 58). Tal é o “edifício”, a “casa não feita por mãos, eterna, nos céus”. O mortal se revestirá da imortalidade (1 Coríntios 15: 53). Isto é promessa de Deus para todos nós, crentes, Nele.

© Amor-Perfeito

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: