Amor-Perfeito

"Eu me deito e durmo; acordo, porque o Senhor me sustenta" – Salmo 3: 5.

Frases Etc. (Rubem Alves)

.

“Quero viver do lado de gente humana, muito humana, que sabe rir dos seus tropeços, não se considera eleita antes da hora, não foge da sua mortalidade, e deseja tão somente o que é justo” – Rubem Alves.

.

Salmo 64: 10.

* 1mVersículo 1aVerdade *

“O justo se alegra no Senhor, e nele se refugia; cantem louvores todos os retos de coração!” – Sl. 64: 10.

Ser justo e ser reto, duas “qualidades” ou “condições” que, se reunidas em uma pessoa, agradam bastante a Deus. No entanto, vale e muito buscarmos entender com alguma profundidade o significado de ser justo e reto. Antes de tudo, o importante é sabermos que a soma dessas virtudes não é sinônimo e não corresponde (ou quer dizer) que a pessoa seja perfeita. Por natureza, nós somos seres imperfeitos, fracos e frágeis, de vontade e de atitudes, inclusive. Jamais seremos perfeitos, porque precisamos de Deus para nos tornar completos. Completos, não perfeitos, insisto e friso. E a perfeição só pode ser encontrada Nele. Somos nós, assim, dependentes de Deus, em todos os sentidos. Quem se aventura na vida sem Deus é um ser incompleto, mas todos nós, mesmo os que se entregam ao Senhor, somos e sempre seremos imperfeitos. A nossa natural imperfeição só melhora um pouco quando nos submetemos a Deus Pai, em Jesus, coisa que resulta em justiça e retidão em nossas vidas e caminhos.

Ser justo, na acepção espiritual do termo, não depende de vontade humana. O ser humano é justificado por Deus, em Jesus, quando se reconhece falho, fraco e se arrepende. Depois de justificado, pode-se chamá-lo de justo. Justo é, pois, a condição daquele que se entrega a Jesus Cristo, o Filho de Deus, e O faz seu Mestre. Ser justo, portanto, nessa linha de raciocínio, não demanda esforço de ninguém, mas, de outra sorte, depende apenas de uma atitude e de uma breve e singela oração (Romanos 10: 8 a 10). A justificação que torna a pessoa justa, nesse passo, ocorre em minutos. Basta, tão somente, disposição, e a concretização da intenção que deu azo a essa disposição. Então, acontece, de forma simples, mais ou menos assim: a pessoa ora a Deus, em nome de Jesus, e se entrega a Ele. Algumas pessoas fazem pedidos distintos, do tipo “escreva o meu nome do Livro da Vida”, ou “me envie o Espírito Santo e me salve”, dentre outros. Mas o importante mesmo é se entregar a Deus, e todo o resto Ele nos acrescenta. Pronto, a partir disso a pessoa está justificada, é, pois, justa. Daí surge o ponto pelo qual concluímos que, diante de Deus, justo é aquele que foi justificado por Jesus. Não tem a ver, pois, com atos de justiça, que é outra coisa – a Bíblia chama isso de “bom siso” (Provérbios 3: 21), que é um conjunto de virtudes de quem age com justiça (e retidão).

Ser reto é diferente. Quando a pessoa se entrega a Jesus, considerando-se o arrependimento que deve estar presente, há de se crer que essa pessoa almeja uma mudança em sua vida. O Reino de Deus tem uma ética e moral próprias, as quais todos nós que amamos Jesus buscamos adotar. Digo “buscamos” justamente porque somos imperfeitos, e o “querer”, ao menos, tem de estar em nós, a fim de fazer valer a retidão que se espera do cristão. Ser reto demanda estado de espírito e esforço nossos, direcionados a agir com retidão. Não acontece “em minutos” como a justificação, acima comentada. É, na verdade, uma busca incessante, a todo instante, a cada decisão a ser tomada, e que dura toda a vida. Porém, naturalmente, dentro do parâmetro de fraqueza e da fragilidade inerentes ao ser humano, quem é reto é justo (bom siso), persegue esse estado e busca se adequar a essas coisas. Nada impede, entretanto, que a pessoa ore a Deus pedindo Sua ajuda para agir com retidão, mas não é só com oração que se resolve isso: é preciso ter atitudes positivas e empenhar esforços para alcançar a condição de ser reto e de agir com justiça.

Pela Pessoa (e caráter) de Deus Pai, que é impossível não amar e mesmo não se apaixonar (minha opinião), os retos (que são justos) e os justos (que são retos), geralmente buscam agradá-Lo e, com isso, procuram da melhor maneira possível serem justos (aqui no sentido de atos de justiça – bom siso) e agirem, sempre que conseguirem, com retidão. Depois de certo tempo (acho eu), estas coisas (justiça e retidão) passam a ser algo que se incorpora nos crentes em Jesus, com a ressalva da imperfeição natural e inerente à nossa origem comum, humana. E o amor de Deus por nós, e Sua bondade, nos cativam de tal forma que fica difícil não nos alegrarmos com Ele, e Nele nos refugiarmos. É impossível, de forma absoluta (arrisco dizer), que aqueles que foram “abraçados”, redimidos e acolhidos pelo Senhor não Lhe rendam graças e deixem de Lhe dedicar louvores de pura e sincera gratidão. O coração do crente em Jesus está cheio de júbilo pelo Senhor. Isso aflora da pessoa, e contagia outros, e chega ao coração de Deus Pai, que Se alegra. A satisfação de ser justo e reto nos impele ao amor e à gratidão ao nosso Senhor. E como é bom e agradável esse sentimento de deleite que, no íntimo, nos “aquece” e nos aquieta!

© Amor-Perfeito

Frases Etc. (Barão de Montesquieu)

.

“A injustiça que se faz a um, é uma ameaça que se faz a todos” – Barão de Montesquieu.

.

Hebreus 4: 12.

* 1mVersículo 1aVerdade *

“Pois a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais cortante do que qualquer espada de dois gumes, e penetra até o ponto de dividir alma e espírito, juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração” – Hb. 4: 12.

Um verso denso, e cheio de implicações… A Palavra de Deus é “viva” e “eficaz”, ou seja, não é “letra morta” e nem é a Bíblia um mero “livro histórico”, ou antigo, ou mítico. Todas as coisas hoje ditas como “espirituais” formam o conteúdo da Bíblia Sagrada e, por mais difícil que nos seja aferir isso, trata-se da verdadeira realidade. Nós vivemos na utopia do mundo material e sensorial, engodados pelo que se pode ver e tocar, inebriados (talvez, “embriagados”) com os atrativos efêmeros de uma vida breve, com suas tentações. Somos seres “virados do avesso”, porque tendemos a crer mais no “menos” e menos no “Mais”. Nossos raciocínios gerais são viscerais e instintivos, “desfocados”, ao invés dos esperados intentos (e atos) de misericórdia e graça, amor. Não é a toa que as Escrituras Sagradas nos classificam como “perdidos” e “condenados”, e é exatamente isso o que somos: perdidos, condenados, “mortos-vivos”.  

A Palavra de Deus é “espada”, e “espada de dois gumes”. Essa figura de linguagem é uma das mais importantes indicações da Bíblia Sagrada, a meu ver. A Palavra de Deus “corta” quem A usa, quem não A usa, quem A ouve, quem A ignora. A Palavra de Deus é a Verdade, retrato da realidade. Deus Pai se revela por Ela, e Jesus e o Espírito Santo. Ai daquele que A usa em vão! E parece que há muitos fazendo isso… A Palavra de Deus é vivificante e purificadora, mas também mata. A morte vem e virá para todos os que A desprezam, ou A tomam como fonte de lucro indevido, e Dela se utilizam de forma criminosa. Nosso país é laico, não mistura, grosso modo, religião e política, e a política vigente protege a liberdade de expressão e de religião. Por conta disso muitos são os que praticam o crime de estelionato (dentre outros…), utilizando-se do nome do Senhor e de Jesus, aproveitando-se do laicismo que vigora como um dos pilares de nossa sociedade. Essa particularidade “blinda” e deixa esses criminosos à margem da lei e das instituições, porque é tênue a linha que separa o sagrado do crime, nessa seara específica. Prevalece, para eles, pois, o “benefício da dúvida” (feliz ou infelizmente? – francamente, não sei…). E, assim, os falsos profetas disso se aproveitam e se proliferam em relativa segurança, mas só neste “mundo irreal”. 

A Palavra de Deus “penetra” fundo e tudo discerne. Não há quem escape do Juízo de Deus. Falsos profetas (infiéis) e seus asseclas/seguidores (e descrentes) se verão sem saída no momento da prestação de contas. Verão que trocaram espuriamente a realidade pela utopia. A realidade eterna pela breve e efêmera utopia deste mundo. A hora de se submeter a Deus é “na carne”, durante a utopia. Não depois disso. Depois disso, é morte ou vida, ponto final. A morte física é própria da “carne”, e praticamente todos os seres humanos hão de enfrentá-la, só Deus sabe… Esta não é, no entanto, a morte indicada pelo “depois disso”, é a morte antes disso. A morte “depois disso” é a morte espiritual, assim como “esta vida” (na “carne”) não é a vida da qual se fez referência acima, mas a vida eterna. E a morte espiritual, segundo consta, também é eterna. Vida e morte antes do Juízo Final fazem parte das agruras e mazelas da “carne”, ou do corpo humano. O outro corpo é incorruptível. Brevidade e Eternidade, qual é, pois, a realidade?

Em todos os níveis do “ser cristão”, de se tornar cristão, e de se considerar cristão, a Palavra de Deus funciona como o “Árbitro de Deus”. A Palavra de Deus discerne o indiscernível, ou seja, tudo aquilo que “habita” em nossos pensamentos e corações. Quem poderá, pois, fugir da ira de Deus? Ninguém pode. Portanto, o melhor a se fazer, a melhor postura de qualquer pessoa, seria/é mesmo se entregar a Deus, por Jesus. Somente nessa condição a pessoa “se livra dela mesma”, e da morte espiritual. Nós somos os maiores inimigos de nós mesmos, e precisamos da ética, da moral, dos ensinos, da sabedoria e da integridade do Reino de Deus, em nós, para nos livrar e salvar. Não significa dizer que nos tornamos perfeitos, não, de jeito nenhum isso. Significa afirmar que, como seres imperfeitos, ganhamos uma “licença” para conviver com Deus, em harmonia e paz. Se a pessoa, ao se dizer cristã, não tiver dentro de si esses “predicados”, dentre eles, integridade (não perfeição), sinceridade (não perfeição) e vontade de obedecer a Deus (não perfeição), muito cuidado, porque a morte está à espreita, e isso é seriíssimo. Já os inúmeros pregadores e “milagreiros” por aí, autodenominados “um monte de títulos e coisas”, pelas suas respectivas atuações, ilusões e “teatro”, cometem seus diversos “crimes contra a Humanidade”, e até nos parece que sairão impunes. Mas é só aparência, e questão de tempo. Tudo será discernido e revelado. Quem viver, e morrer, e tornar a viver, verá!

© Amor-Perfeito

Frases Etc. (Henry Ward Beecher)

.

“Alguns homens são como pirâmides, vez que são muito largos ao se firmarem no chão, mas cada vez mais estreitos na medida em que se aproximam do céu” – Henry Ward Beecher.

.

Frases Etc. (Franz Grillparzer)

.

“Há um remédio para qualquer tipo de erro: reconhecê-lo” – Franz Grillparzer.

.

Provérbios 26: 12.

* 1mVersículo 1aVerdade *

“Tens visto a um homem que é sábio a seus próprios olhos? Maior esperança há no tolo do que nele” – Pv. 26: 12.

Eu não sou perfeito, eu cometi um erro uma vez, uma única vez. O erro que cometi foi pensar que eu estava errado”. Essa singela “declaração” é uma piada, apenas; que ninguém se espante, por favor. Mas você conhece alguém que sempre tem razão? Ou que sabe tudo? “Dono” da verdade? Que tenta “impor” sua razão, e que tem “necessidade” e prazer em “vencer” qualquer discussão? Meu palpite é: sim, claro que você conhece alguém “perfeito”. Esse aí é um homem (ou mulher) que é sábio a seus próprios olhos. A convivência com gente assim é difícil, uma “tristeza”. Porém, maior prejuízo têm aqueles que se veem como sábios a seus próprios olhos, porque essas pessoas são inflexíveis, “prisioneiras de si mesmas”, limitadas, autocentradas, egoístas, vaidosas, comumente prepotentes, e, estou certo de que você pode pensar em outros “predicados” para elas. Em suma: são uns coitados, dignos de pena e dó.

Não importa o grau de inteligência, perto de zero a gênio; não faz qualquer diferença a classe social ou a função que a pessoa desempenhe; ou quanto de dinheiro ela tenha, se é famosa ou não, se é feia ou bonita, enfim, nada importa, se essa pessoa, como se diz por aí “se acha”, ou, pelo verso, se essa pessoa pensa que é sábia aos seus próprios olhos. Certamente essa pessoa “pensa” mais do que deve, e não tem humildade alguma. E a Palavra de Deus afirma que há mais esperança para o tolo do que para essa pessoa. Aliás, o “inverso do verso” faz mais sentido, porque tola é justamente a pessoa que pensa que é sábia aos seus próprios olhos, e sábia é a pessoa que não pensa de si mesma o que não se deve pensar, ou mais do que lhe seria devido cogitar. Sábia é a pessoa que está “aberta” a tudo o que a vida oferece, com discernimento e equilíbrio. Sábia é a pessoa que “calça os sapatos” do próximo, e que reflete e pondera sobre tudo e todos, e, sobretudo, sobre si mesma. Sábia é a pessoa que se conduz com humildade e bondade.

Nesse passo, nem idade é parâmetro que permita a alguém se achar sábio. Diz a Palavra de Deus, aliás: Melhor é o jovem pobre e sábio do que o rei velho e insensato, que já não se deixa admoestarEclesiastes 4: 13. Raciocínios fechados e certezas são perigosos inimigos do homem. E essas coisas trazidas para a religião são nefastas e “mortais”. Ao invés de buscar ter razão a qualquer custo, o homem devia se preocupar em ser bom. Como isso seria benéfico ao “ambiente dos vivos”, em geral. Mas, infelizmente, é utopia imaginar um mundo livre de pessoas cheias de si, manipuladoras e com “luz própria”. Sabedoria é algo excelente, que se busca a vida inteira. Quando alguém se conscientiza de algo, sempre há mais coisas adiante para se aprender. O “acervo” da sabedoria é inesgotável. Alcançar sua totalidade é impossível. E a sabedoria “parece gostar” dos humildes, e rechaçar aqueles que “tomam seu nome em vão”. Frequentemente se acham sábios aqueles que têm algum poder, ou muito dinheiro (ou as duas coisas), os astutos e os inteligentes, e o mais comum: os loucos e estultos (tolos).

Falsa percepção da realidade que os rodeia, no entanto. Ledo engano que os prejudicarão a vida inteira, podendo comprometê-los no pós-vida, na Eternidade. Pensar demais da conta a respeito de si próprio já é um pecado a ser evitado por todos, e piora a situação quando a pessoa se sente “superiora” aos demais mortais. E fica indizível de ruim, “cheiro de morte”, se essa pessoa despreza a Deus Pai, de qualquer maneira. Eis aí algo que deve ser “pesado” e adotado na vida inteira de cada um de nós, sem que jamais “baixemos a guarda”: precisamos estar sempre prontos a ouvir, a refletir, a ponderar, a questionar, a aprender, diante de Deus e dos homens, com honesta humildade. Ninguém, nunca, deterá todo o conhecimento disponível, muito menos toda a sabedoria, pois somos seres em frequente processo de aprendizado e crescimento.

Eu “bati muito a cabeça” com isso no passado, pois “lutava” e sofria para ter razão. “Vitórias vazias” e destituídas de sentido, no entanto. Com o tempo descobri (graças a Deus) que ninguém muda a realidade, e que não faz diferença alguma “ter razão”, no que quer que esteja em discussão. Ora, às favas com o “ter razão”! Hoje em dia eu simplesmente concordo ou fico em silêncio com pessoas desse “naipe”, até porque dá muito mais trabalho contestá-las do que “anuir” ou emudecer, e nada de concreto ou abstrato muda na minha vida, a não ser a tranquilidade que ganho em “assentir” ou em me calar. “Ok! Você está certo(a)!”, e “fim de papo”, paz. Costumo dizer, para finalizar, que Deus (só Ele) tem sempre razão, em Jesus. Submeto-me ao Senhor, pois, e persigo/perseguirei a sabedoria a vida toda, sereno e quieto, no “meu cantinho”. Quero aprender sempre mais, e estou “aberto” a novas possibilidades, baseando-me, para tanto, na ética do Reino de Deus. Não condeno ninguém, e ajudo a quem puder ajudar. Conto com a graça e a misericórdia de Deus para me corrigir quando necessário for. Espero o Céu, nada menos do que isso. Carpe Diem. E vou vivendo…

© Amor-Perfeito

Frases Etc. (Rubem Alves)

.

“Deus não precisa de lugares sagrados. Cada ser humano é um altar, onde quer que esteja” – Rubem Alves.

.

2 Crônicas 7: 15.

* 1mVersículo 1aVerdade *

“Agora estarão abertos os meus olhos e atentos os meus ouvidos à oração que se fizer neste lugar” – 2 Cr. 7: 15.

Essas são palavras do Senhor, ditas diretamente a Salomão, filho de Davi, os dois reis de Israel, um depois do outro. Salomão havia dedicado o Templo, recém-construído, ao Senhor. O “lugar” do verso, portanto, era o Templo de Deus, em Jerusalém, em sua primeira versão. As orações feitas ali eram recebidas e levadas em conta pelo Senhor, conforme afirmação Dele mesmo. O Templo era uma edificação construída de acordo com os parâmetros dados por Deus. Nele havia um altar, onde os sacrifícios eram oferecidos. O Altar de Deus era peça importante do Templo, mas a parte central era o Santo dos Santos, no qual habitava o Espírito do Senhor, e se puxarmos nossa memória, lembraremos que apenas ao Sumo-Sacerdote era permitido estar nesse sagrado recinto, uma vez por ano, com propósitos específicos, e que ele era amarrado em uma corda, pois, se morresse lá dentro, não podia ser resgatado por pessoas: ele tinha de ser puxado pela corda. Quem lá entrasse, fora desse caso único, morria instantaneamente, segundo as Escrituras.  

Antes desse Templo, havia o Tabernáculo, que era um “templo itinerante”, e que podia ser frequentemente montado e desmontado durante as andanças dos Hebreus pelo deserto, pós-fuga do Egito. Séculos depois, com a preparação de Davi, Salomão construiu o Templo mencionado no verso, segundo consta, no Monte Moriá, o mesmo lugar onde Abraão teria oferecido seu filho Isaque em sacrifício a Deus. Bem mais tarde, esse Templo foi destruído por Nabucodonosor, rei da Babilônia. Adiante no tempo, o Segundo Templo foi reconstruído por Zorobabel, mas sem as mesmas riquezas e símbolos do Primeiro Templo. E permitia-se a adoração a Deus de pessoas que não professavam o Judaísmo, em local próprio. Cerca de quinhentos anos mais tarde, o Segundo Templo estava desgastado pelo tempo e por ataques de exércitos inimigos, e Herodes, querendo agradar os Judeus, O restaurou. Enfim, o chamado Templo de Herodes foi destruído em 70 D.C., pelos Romanos. Sobrou, nos nossos dias, como resquício desse Templo, apenas o Muro das Lamentações, que é o segundo local mais sagrado para os Judeus, contemporâneos (nossos).

Evidentemente o parágrafo acima é uma apertada síntese de milênios de História Bíblica e da Humanidade, pelo que peço desculpas por eventuais impropriedades. O interessante nesse pequeno resumo, pela minha ótica, é o “círculo da vida”, ou “ciclo”, criado por Deus Pai. Tudo começou com um “templo itinerante”; depois, passou-se a adorar a Deus em lugares fixos. Esses lugares foram destruídos e sobrou apenas uma pequena fração daquilo que era e é considerado sagrado. E hoje em dia? Onde se adora a Deus? Pois é, voltamos ao conceito de “templo itinerante”. Querem ver? É mais que bonito, é maravilhoso. O “Altar de Deus”, hoje em dia, não se concentra em um único lugar, mas está espalhado pelo Planeta, nos corações daqueles que amam ao Senhor, em Jesus. E dentro de nossos corpos mortais, existe um lugar específico, Santo, que só pode ser ocupado pelo Espírito Santo de Deus. O corpo é a “edificação”, itinerante e provisória; no coração fica o “Altar de Deus”, o centro de nossas vontades; e, por fim, na “edificação” (corpo humano), em “parte” não reconhecida, está o “Santo dos Santos”, que é o “Lugar Sagrado” no qual Deus habita em Espírito. Perfeito! Os símbolos e as analogias se complementam com perfeição!

E a Bíblia Sagrada nos ajuda a entender e compreender a coisa toda desse modo, porque os cristãos passaram a ser chamados, a partir do Novo testamento, de “Templos do Espírito Santo”, ou “Pedras Vivas”. Pedro, Apóstolo, deu declaração nesse sentido: vós também, como pedras vivas, sois edificados como casa espiritual para serdes sacerdócio santo, a fim de oferecerdes sacrifícios espirituais, aceitáveis a Deus por Jesus Cristo1 Pedro 2: 5. Paulo, Apóstolo dos Gentios, foi mais enfático: Não sabeis vós que sois santuário de Deus, e que o Espírito de Deus habita em vós?1 Coríntios 3: 16 (vide também 1 Coríntios 6: 19 e 20). E o Senhor Jesus Cristo, antes dessas declarações, asseverou: … Se alguém me amar, guardará a minha palavra. Meu Pai o amará, e viremos para ele e nele faremos moradaJoão 14: 23. Assim, uma igreja vazia, sem gente, é só um prédio (Atos 7: 44 a 50). O Espírito de Deus está nas pessoas. Somos “Templos do Espírito Santo”, “itinerantes” e “provisórios”, guardados em Cristo Jesus para a Eternidade e para a incorruptibilidade (1 Coríntios 15: 51 a 58).

Se alguém ainda não é “Templo do Espírito Santo”, e quiser ser, fácil, eis a “receita”, pois: vontade, disponibilidade, sinceridade, fé (vale pedir fé também – Marcos 9: 24), entrega de si próprio a Deus, por Jesus, com um pedido (oração a Deus) de cerca de um minuto, do jeito de cada um. Para ajudar, Paulo, de novo: Mas que diz? A palavra está junto de ti; está na tua boca e no teu coração, isto é, a palavra da fé que pregamos. Se com a tua boca confessares a Jesus como Senhor, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo. Pois com o coração se crê para a justiça, e com a boca se faz confissão para a salvaçãoRomanos 10: 8 a 10. Simples assim! Daí por diante, como foi no passado com Salomão, por analogia Bíblica, o Senhor lhe dirá, depois dessa singela oração sua: “Agora estarão abertos os meus olhos e atentos os meus ouvidos à oração que se fizer neste lugar”2 Crônicas 7: 15. Neste “lugar”: você!

© Amor-Perfeito

Frases Etc. (Henry Ward Beecher)

.

“Nenhum homem é conquistador tal, senão aquele que derrota a si mesmo” – Henry Ward Beecher.

.

Frases Etc. (Thomas Merton)

.

“Cada um vive à sombra de uma pessoa ilusória: o falso eu– Thomas Merton.

.

Tito 2: 11.

* 1mVersículo 1aVerdade *

“Pois a graça de Deus se manifestou, trazendo salvação a todos os homens” – Tt. 2: 11.

A graça de Deus se manifestou em Jesus Cristo, homem. Jesus veio “na carne” para nos salvar e redimir. Jesus, o Filho de Deus, amado, o Primogênito. Jesus é Deus, parte da Santa Trindade, difícil de ser discernida, porém, basta-nos a fé para aceitá-La. Deixemos as “explicações” para o Reino de Deus, se é que, diante de tanta glória, nos lembraremos de pedi-las a Deus. O importante é sabermos, como nos ensina a Bíblia Sagrada, que o único Caminho em direção a Deus é o próprio Senhor Jesus (João 14: 6). Jesus é o único Pastor, o Bom Pastor (João 10: 11), que se entregou por nós, Seu “rebanho”, Suas “ovelhas”. O Mestre deu a vida para que tivéssemos vida em nós mesmos, e fôssemos reconciliados com Deus Pai. Salvos para a Eternidade com o Senhor, por Jesus.

Essa é a maravilhosa mensagem do Evangelho de Cristo Jesus: a nossa salvação. Mas Jesus concretizou algo que antes era só teoria. Jesus provou, como homem, que qualquer homem ou mulher pode desenvolver uma relação de intimidade com o Pai. Jesus nos deu o exemplo máximo, pois, na carne, clamava, orava e conversava com o Senhor. Nós também podemos fazer o mesmo, isto é, nós podemos clamar e orar, conversar com Deus. Nós podemos chorar diante Dele e/ou expor-Lhe as nossas tristezas e/ou aflições, se for o caso. Nós podemos louvá-Lo e agradecê-Lo, ou tão somente ficar em silêncio em Sua presença, seguros e serenos. Graças a Jesus, que transferiu o Altar de Deus para os nossos corações. Graças a Jesus, que nos separa para sermos santos de Deus. Graças a Jesus, que nos inclui no Povo de Deus.

Tudo isso faz parte da nossa história. Cada um de nós tem a sua própria e única história, ou vida. Contudo, nós somos apenas uma ínfima fração do Universo de Deus. E Ele nos deu a faculdade de escolher entre viver sozinhos a nossa história, ou com Ele, incluindo-O em nossas vidas. Nós podemos ser os protagonistas exclusivos de nossas vidas, pagando um alto preço por isso; ou podemos depositar as nossas “coroas” aos pés de Jesus, e viver por conta da misericórdia e graça de Deus. No primeiro caso, fazemos da nossa história “algo grande”, mas que, na verdade, nada é; na segundo situação, “abrimos mão de nós mesmos”, e o “pequenino conto”, que é a nossa vida, se contextualiza com a maior de todas as histórias, a História que engloba todo o resto.

A história de Jesus é escrita com “h”, isto é, não é “estória” com “e”, mas história, ou seja, é pura verdade, e retrato da realidade. Consta que C.S. Lewis era um ateu confesso, e sua conversão, ou crença em Deus, se deu por conta de uma conversa que teve com J.R.R. Tolkien, cristão consciencioso e devoto, que lhe disse ser o Evangelho (a História de Jesus) um “Mito Verdadeiro”. Ora, mito não é verdade pura e simples, mito seria, no mais próximo daquilo que possa ser considerado real, algo apenas como uma narrativa acerca de tempos idos e heroicos, envolvendo pessoas ou entidades, deidades até, que eventualmente guarda um fundo de verdade. Só que nesse caso J.R.R. Tolkien usou a palavra “mito” com outro significado, bastante profundo e ao mesmo tempo “engenhoso”, qual seja, o de um “relato fantástico” de algo totalmente sobrenatural, fora do alcance das condições humanas ordinárias, mas que não indicava de jeito nenhum uma lenda (ou estória), mas, de outra sorte, a mais pura realidade e verdade. A Realidade, a Verdade, aliás. De uma mente privilegiada para outra, pois, foi assim que C.S. Lewis se entregou ao Senhor (por evidência, aqui posto em apertada síntese), e alcançou, como todos nós, a salvação de sua alma. Importa-nos saber, assim, que a Graça de Deus se manifestou para nós por Jesus, trazendo-nos a salvação. E que a trajetória de Jesus é História com “H”, isto é, é um “Mito Verdadeiro”. Ou seja: é fantástica, é sobrenatural, sim, mas é real.

© Amor-Perfeito

Frases Etc. (Santo Inácio de Loyola)

.

“A humildade consiste em alegrar-nos com tudo o que nos leva a reconhecer o nosso nada” – Santo Inácio de Loyola.

.

Insight (Desejo-lhe…)

 .

DESEJO-LHE

 .

Para você, desejo o sonho realizado.

O amor esperado.

A esperança renovada.

Para você, desejo todas as cores desta vida.

Todas as alegrias que puder sorrir.

Todas as músicas que puder emocionar.

Para você desejo que os amigos sejam mais cúmplices, que sua família esteja mais unida, que sua vida seja mais bem vivida.

Gostaria de lhe desejar tantas coisas…

Mas nada seria suficiente…

Então, desejo apenas que você tenha muitos desejos.

Desejos grandes…

E que eles possam te mover a cada minuto, ao rumo da sua felicidade!

Carlos Drummond de Andrade

.

Frases Etc. (Mark Twain)

.

“Já sofri por muitas coisas em minha vida. A maioria delas nunca existiu” – Mark Twain.

.

Frases Etc. (Leonard Cohen)

.

“Há uma rachadura em tudo. É assim que a luz entra” – Leonard Cohen.

.

2 Timóteo 4: 8.

* 1mVersículo 1aVerdade *

“Desde agora, a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a sua vinda” – 2 Tm. 4: 8.

Maranata! Vem Senhor Jesus! A vinda de Jesus é o começo e o fim, o fim e o começo. O começo de um novo tempo; o fim do que ficou para trás. Deve ser isso, acho. Todo crente em Jesus nutre a esperança de que o Mestre volte, mas ninguém sabe quando e como esse majestoso evento se dará. Há diversas especulações, e se não forem repassadas como verdades, ora, que mal há em sonhar? Ou imaginar? O próprio Senhor Jesus disse que nem Ele sabia o tempo certo, só Deus Pai: Porém, a respeito daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos do céu, nem o Filho, mas unicamente o PaiMateus 24: 36. E o Rabi completa o que disse, com a comparação do dilúvio nos dias de Noé, cuja data era, então, incerta (Mateus 24: 37 a 39). Nos versos seguintes, Ele dá uma ideia do que deve acontecer, e nos diz que devemos “vigiar” incessantemente (Mateus 24: 40 a 44). Outros pontos da Bíblia Sagrada, especialmente algumas Parábolas de Jesus, completam o “cenário” de Sua volta, mas esse é um “quebra-cabeça” que a nós faltam “peças”.

Essa “falta de peças” deve ser compensada pela fé. Ora, sem fé é impossível agradar a Deus, porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe, e que é galardoador dos que o buscamHebreus 11: 6. Pela fé nós aprendemos a amar a Deus, e tantas outras coisas maravilhosas que passamos a conhecer, nelas incluída, é claro, a vinda/volta do Senhor Jesus. Há uma música muito bonita a respeito disso, cuja letra, no entanto, nos revela certo caos no Mundo, e se você conhecer a música da qual eu falo, a identificará com esse singelo exemplo: imagine um avião sem seu piloto, arrebatado por Jesus. A vinda de Jesus será agradável aos santos, e bem nefasta aos que aqui ficarem. É o que penso pelo que aprendi até agora, mas a verdade é que não sei o que vai acontecer, de fato, ao certo. Apenas faço como todos: imagino. Amo a volta do Senhor Jesus, e espero por ela, com muito temor e ansiedade. Sei que vai acontecer, e é só isso que sei. Logo, espero.

Paulo disse no verso que cada pessoa que amar a vinda do Senhor Jesus, tal como ele, receberia a Coroa da Justiça, em semelhança à que a ele estava guardada por Deus Pai. Não sei se foi uma metáfora de Paulo, uma figura de linguagem, ou se há mesmo uma coroa, ou outra coisa qualquer, física, material (galardão há, porque Deus é Galardoador, só não sei o que é o galardão, por ele mesmo – Hebreus 11: 6, acima). Mas o verso diz com acerto que o Senhor é Justo Juiz, e eu, desde que O conheci, passei minha vida crendo na salvação de minha alma por Jesus. Pra mim, talvez, na minha ignorância, a Coroa da Justiça seja (é) a minha salvação. Eu já me contento em “entrar” no Céu, e passar a Eternidade com o Senhor, em Jesus. Paulo, pelo seu passado, devia se sentir assim, pecador. Eu sou pecador assumido. Tento melhorar, todo dia, e logo volto a fazer coisas que não quero fazer, mas faço (Romanos 7: 18 a 25). Loucura! (1 Coríntios 1: 18). Deus fez e mantêm várias promessas ao ser humano, e uma delas é a salvação. Não poderia haver promessa mais valiosa que essa: a salvação. A salvação é minha Coroa da Justiça, porque eu, sozinho, sem Cristo, sem o Senhor, estou só, sozinho, desamparado, e perdido.

Quero o Céu! Quero muito o Céu! Só o Céu! Por aqui, nestas “bandas”, faço o que posso para ser bom, justo, e útil a Deus. Entre erros e acertos, confio no Poder de Deus, e nada (zero) na “força dos meus braços”, para me salvar. Eu, por mim mesmo, não posso acrescentar um “côvado” em minha vida, ou uma “hora” a mais de existência, e tudo que sou e tenho atribuo a Deus Pai, que me acrescenta aquilo que me convém, segundo Seu bendito e perfeito critério. De forma idêntica a Paulo, também espero, em Cristo Jesus, receber a minha Coroa de Justiça (salvação), “naquele dia”, que bem pode ser o dia de minha morte, ou o dia da vinda/volta de Jesus, que espero e amo. Logo, tanto faz o “dia”, mas que seja “o dia”, “o meu dia” com Jesus, e depois a Eternidade com Ele. E quero deixar bem claro a seguinte situação, para que todos se situem: minha salvação, ou minha “Coroa de Justiça”, que seja, depende de minha crença em Deus Pai, por Jesus, e de minha entrega a Ele; não depende a minha salvação de minhas obras, de minha aparência, do que sou ou do que eu tenho, de onde e como vivo. Não! Minha salvação depende do meu amor verdadeiro, puro e sincero (condição do meu coração), voltado ao Justo Juiz, que assim quis que fôssemos salvos: por Jesus Cristo de Nazaré. Pelo Filho nós somos redimidos. Regenerados. Justificados. Separados. Amados. Cuidados. Salvos. Maranata! Ora, vem Senhor Jesus! 

© Amor-Perfeito

Frases Etc. (Mário Quintana)

.

“O segredo não é correr atrás das borboletas… É cuidar do jardim e elas virão até você” – Mário Quintana.

.

Insight (Pergunte-se)

.

PERGUNTE-SE

 .

“Por que alguns cristãos, apesar de ouvirem mil bons sermões, não têm avanço na vida espiritual?

Porque eles negligenciam sua obrigação, seu quarto fechado, a solidão com Deus…

Eles não meditam no que ouviram.

Eles “amam” o trigo, mas não moê-lo.

Eles teriam o milho, mas eles não irão ao campo colhê-lo.

O fruto está pendurado, mas eles não vão estender a mão.

A água está fluindo em seus pés, mas eles não vão se inclinar para beber…

Irão reclamar porque outros não fazem isso para eles…

De tal loucura livrai-nos, ó Deus!” 

Charles Haddon Spurgeon

.

Frases Etc. (Leon Tolstói)

.

“Não é possível ser bom pela metade” – Leon Tolstói.

.

Frases Etc. (Oswald Chambers)

.

“É sempre necessário esforçar-se para alcançar algo nobre” – Oswald Chambers.

.

Provérbios 11: 27.

* 1mVersículo 1aVerdade *

“O que busca o bem encontra favor; mas ao que procura o mal, este lhe sobrevirá” – Pv. 11: 27.

Outro dia vi e ouvi (em um vídeo) um ponto de vista bastante interessante, sobre a busca da felicidade e seus limites. Ser feliz a qualquer custo, segundo o locutor, não é algo sadio. E tem ele razão (acho eu): quem, eventualmente, procura ser feliz desse modo, inevitavelmente acaba praticando o mal. Não existe satisfação plena de um ser humano nessa seara, felicidade, nem tampouco existe o pleno preenchimento das necessidades físicas de alguém, visto que “um degrau galgado”, e a pessoa já mira no próximo, insatisfeita. Sempre queremos mais! É a natureza humana, pura e simples, retrato da realidade (no geral). Claro que existem pessoas desprendidas, mas são elas exceções à regra. Na “vala comum”, é assim que “a banca toca”. E a maldade inerente ao ser humano está por toda parte, muitos são os que procuram o mal.

O oposto do mal é o bem. Um faz “oposição” ao outro. E o homem do vídeo dizia que o melhor a fazer seria não procurar a felicidade, mas fazer o bem, ser bom. Talvez não seja possível atingir a plenitude desse estado de espírito de se tentar ser bom. Pois que temos em nós, arraigada, uma “sementinha do mal”, contra a qual devemos lutar a vida toda, de preferência, com a ajuda de Deus. Se intentarmos fazer isso pela “força de nossos braços”, sozinhos, será uma “luta inglória”, das mais difíceis. Assim, a felicidade seria um “plus” em nossas vidas, não um objetivo a ser perseguido, mas uma consequência ligada diretamente aos nossos atos e condutas. Se presente a felicidade, ótimo, desfrutemos todos dela, mas jamais percamos de vista que ela é efêmera, e que não é a coisa mais importante. Com esse raciocínio, nós podemos concluir que ser bom é melhor do que ser feliz. Bondade é superior à felicidade. E faz sentido isso, porque a bondade atrai a felicidade. Um ato de bondade traz imediata felicidade ao seu executor.

Ser bom é um grande desafio. Quando o “jovem rico” chamou Jesus de “Bom Mestre”, ele imediatamente redarguiu: Por que me chamas bom? Ninguém é bom senão um só, que é DeusMarcos 10: 18. Jesus talvez estivesse querendo (nos) dizer que ser bom requer esforço e atitude, de quem quer que queira fazer o bem. Boa coisa é ser bom. Melhor que ser feliz. Mas dá para ser bom e ser feliz ao mesmo tempo. É absolutamente possível essa combinação. Só não sei se dá para ser mau e feliz conjuntamente. A pessoa má busca de forma precípua a satisfação de seus desejos e interesses pessoais, especialmente os de natureza física. Bens materiais, as “necessidades” de seu corpo, poder, aparência, conforto, luxo (se puder), e coisas do gênero. E para a obtenção dessas coisas todas, não hesita em “pisar” nos outros, passar por cima de interesses alheios, e em desrespeitar quem quer que seja. Em casos mais graves, a pessoa trapaceia, defrauda, furta, rouba, mata até. A estes que procuram o mal, pois, o mal lhes sobrevirá, inevitavelmente, e a felicidade lhes estará “além da linha do horizonte”, totalmente “fora de vista”.

Mas o favor do Senhor está com aqueles que buscam o bem. Só essa frase já “indica” alguma felicidade, na minha modesta concepção de ver as coisas. Aquele que faz o bem, decerto, precipuamente visa o “conforto” do outro, sem descuidar de si mesmo (equilíbrio, sempre). No mais, parece óbvia a escolha entre o bem e o mal, mas não é coisa tão óbvia assim, dadas as nefastas condições do Mundo em que vivemos. Se mais e mais pessoas optassem pela bondade ao invés de perseguirem a felicidade (como fim), além de mais feliz, o Mundo seria um lugar bem melhor do que efetivamente é (ou nem é). Do mesmo modo que o mal cobra o seu preço, o bem traz benefícios aos que a ele aderem. Mas a pessoa deve tentar ser boa não por conta desses benefícios: ser bom deve ser o objetivo, o alvo, a finalidade, o “cálice dourado”. O resto, o Senhor nos acrescenta segundo sua benevolência e critério, este último, que pouco ou mesmo nada conhecemos. Certo é, no entanto, que vivemos uns para os outros, e menos para nós mesmos, essa deveria ser, por evidência, a “regra de ouro”. Jesus estava certo quando nos ensinou que melhor coisa é dar do que receber (Atos 20: 35). O Mestre, com esse discurso, nos impele a sermos bons. Busquemos, pois, antes o “sermos bons”, do que a felicidade; e a felicidade virá até nós como favor do Senhor (e se não vier, tudo bem também). Ser bom é ser feliz (ser feliz por ser bom). Felicidade na vida é um “alvo secundário”; ser bom, em Jesus, é buscar nada menos do que o sublime.

© Amor-Perfeito

Frases Etc. (Rubem Alves)

.

“Cheguei aonde cheguei porque tudo o que eu planejei deu errado” – Rubem Alves.

.

Salmo 54: 4.

* 1mVersículo 1aVerdade *

“Certamente Deus é o meu ajudador; o Senhor é quem sustenta a minha alma” – Sl. 54: 4.

É a Ele que eu agradeço todos os dias, várias vezes ao dia, pela minha sanidade mental, e por me preservar Seu, para o Reino de Deus e à Eternidade em Sua presença. No entanto, penso que minha alma estaria “em frangalhos”, no presente tempo, nesses dias duros e impiedosos em que vivemos, não fosse pela intervenção de Deus Pai. O Senhor sustenta a minha alma, como fez com a alma do Salmista. O Senhor é o meu Ajudador em todos os aspectos, claro, admito, e também tenho muita gratidão por tudo isso, mas o verso parece que se inclina mais para o lado existencial do ser humano, da compreensão e apreensão do visível e do invisível, das coisas que “quereríamos saber”, das certezas que gostaríamos de ter, porém, sobre as quais pouco ou nada sabemos. O Senhor nos quer “intuitivos” na senda que traça para nós, tudo indica. E nos quer com fé, Nele, segundo a Bíblia Sagrada.

A alma é a “estrutura” do ser. Carne e ossos nos mantêm de pé; pois a alma “mantém de pé” o nosso espírito, o nosso ânimo e ser. Alma bem postada e serena, alinhada com Deus (em Jesus): mente sã, ou, ao menos, boa possibilidade de que isso ocorra. O conceito de matéria não nos é capaz de explicar a alma. O corpo que nos abriga não a reflete. As almas interagem entre si pelo que é corpóreo, externo, mas a alma é incorpórea, aparentemente. “Vejo pessoas, não vejo almas” – parece certo dizer. O Senhor dá fôlego de vida a todas as almas que cria, pelo Seu Espírito Santo. Contudo, nem todas as almas são gratas a Deus por essa dádiva. O melhor de tudo é ter a percepção e o discernimento de que é o Senhor quem nos sustenta nessa parte nossa, espiritual e incorpórea, inefável. Há pessoas que passam pela vida sem sequer terem tido consciência dessa bênção. Talvez essa seja a diferença entre instinto e razão. Mesmo com alguma ética e moralidade, o instinto leva a pessoa a fazer o que for preciso para sobreviver. Algo como “comamos e bebamos que amanhã morreremos”, mas ninguém quer morrer, a princípio.

Um avô de um amigo, segundo este me contou, no leito de morte dizia repetidamente: “não me conformo, não me conformo”, a assim foi. Como avô, já era um senhor de idade, mas não havia nele, em sua alma, ao que me parece, a clareza da finitude humana. Daí o inconformismo desse avô querido, mas irremediável. O tempo é uma “torneira aberta”, pela qual “as nossas vidas vazam”, sem cessar, até se esgotar a “água estocada por Deus”, em cada um de nós. Vida é um “reservatório de tempo”, limitado e finito. E depois de a “última gota” se desprender e ir ao chão, o “vaso quebra”, os dias se exaurem. Em seguida (acredito eu: logo em seguida – Lucas 23: 43), vem o Juízo de Deus, e o Tribunal de Cristo. Todos nós nos encontraremos com o Senhor, de um jeito ou de outro, pois na Bíblia lemos que “todo joelho se dobrará perante o Todo-Poderoso, e toda língua O confessará” (Romanos 14: 11). Se o Senhor Jesus nos livrar do Juízo, pela crença que temos Nele, tanto melhor, mas que todos nós havemos de dar conta de nós mesmos a Deus Pai, bem, isso é um fato incontornável (Romanos 14: 12).

Vidas começam e vidas terminam todos os dias. E eu descobri o porquê dessa divagação toda (minha), acima. Trata-se da nossa natural “humanidade”, que é a “capacidade” do ser humano de cometer, repetidas vezes, erros e mais erros. Deus sabe disso. E por isso nos mandou o Mestre, Jesus. Nesse passo, sempre gostei do escritor Rubem Alves, e fiquei muito triste quando ele morreu. Na época, muita gente boa ligada à Literatura se foi, e o Pr. Ed René Kivitz, pesaroso, com humor sadio e respeitoso, disse em seu Twitter: “Vai ter FLIP no Céu”. Linda esta perspectiva. Nós não podemos julgar ninguém, essa é a verdade. Jesus diz que isso não deve ser feito, aliás. Eu já havia lido muita coisa do Rubem Alves, antes de sua morte. E aprendi muito com ele, sobre Deus, inclusive. Depois de seu falecimento, li sua biografia, e me surpreendi, de vários modos. Vi um Rubem Alves humano, frágil, muitas vezes inseguro, nada de mito ou coisa parecida. Um homem comum, como todos, sujeito às mais variadas paixões (não somos todos nós assim?), que apenas se destacou por sua perspicácia e bondade, além do dom da escrita, dom magistral (de Deus).

Porém, outro dia, procurando na internet frases para o Blog, li um artigo de um cidadão “descendo a lenha” no Rubem Alves, praticamente condenando-o ao Inferno. Isso me entristeceu muito, porque houve um nefasto “julgamento” dessa pessoa, totalmente impertinente, provocando-me a lembrança da Parábola do Fariseu e do Publicano (Lucas 18: 9 a 14). Eu mesmo tive doloroso temor a Deus em relação a mim mesmo, e por nós todos, devido à nossa falibilidade nata, mas fui consolado de imediato: lembrei-me do encontro de Jesus com o Jovem Rico (Mateus 16 a 30), e de que a salvação “custa caro”, só é possível a Deus nos remir. Então, falar mal de alguém que já se foi? Pra quê? Morto não se defende, ora. E pude perceber algo bem desagradável: quem se coloca a favor de uma instituição religiosa em detrimento de uma ou mais pessoas é um idólatra. A instituição existe por causa das pessoas, e não o inverso. Salvação é dom de Deus, ninguém a merece por si só, por seus méritos pessoais. Não acredito que Rubem Alves tenha sido um “Judas”, de maneira nenhuma, pelo contrário, entendo que ele seguiu a Deus Pai, por Jesus, durante toda a sua vida, entre erros e acertos (como todos nós, por certo). Denegri-lo é pura maldade e estultícia. Não devemos julgar a ninguém. E friso que não desejo o mal ao “crítico” do Rubem Alves, longe disso. Peço a Deus, tão somente, em Nome de Cristo Jesus, que Ele “escale” o Rubem Alves para recepcioná-lo no Céu, no tempo designado, e que aqui na terra lhe dê entendimento para ser fiel unicamente a Jesus Cristo, em amor a Deus, e amor ao próximo, ensinando-lhe a dar menos importância à instituição da qual faz parte. E que lhe dê um “jardim”. Amém.

© Amor-Perfeito

Frases Etc. (Henry Ward Beecher)

.

“Dor e pesar fazem os homens se tornarem sinceros” – Henry Ward Beecher.

.

Frases Etc. (Sigmund Freud)

.

“Fui um homem afortunado, na vida nada me foi fácil” – Sigmund Freud.

.

2 Timóteo 2: 3.

* 1mVersículo 1aVerdade *

“Sofre, pois, comigo, as aflições como bom soldado de Cristo Jesus” – 2 Tm. 2: 3.

Esse verso destoa de muitos discursos por aí, de gente que se coloca a frente de Ministérios os mais variados, e que prometem a seus fiéis o livramento do sofrimento, além de muitas outras coisas que não podem cumprir. Fato. Em síntese, o que se ouve é algo como “venha para minha igreja e seja curado”; “venha para minha igreja e seja próspero”; “faça isso ou aquilo e você alcançará a vitória”; e assim por diante. Contudo, tem doente que ora a Deus, e morre. Tem pobre que vive na pobreza a vida inteira, apesar de frequentar certo culto. E tem pessoas que jamais alcançam vitória na vida, porque buscam aquilo que está errado, diante de Deus. Ora, se alguém se entrega a Cristo Jesus, por suposição, agora, esse alguém obtém vitória, agora. Não muda a sua condição física, nem a mental, ele não fica rico, nem passa a ser bonito ou tem algum sucesso imediato: esse “alguém” simplesmente obtém para si a salvação de sua alma, ganha a Eternidade na presença de Deus, e essa é a maior vitória de um ser humano em sua vida “na carne”. Ponto.

Paulo disse a Timóteo para sofrer com ele as aflições, como bom soldado de Cristo Jesus. Ou seja, sofrimento e aflições virão, e muito disso, como coisas absolutamente normais em qualquer existência humana. Deve chamar nossa atenção, no verso, o fato de Paulo dizer “soldado”. “Soldado”. Não falou outra patente qualquer, mas “soldado”. E isso quer dizer, certamente: “com humildade” ou “humildemente”. Soldado é “pau pra toda obra”, sempre tem alguém “superior” mandando nele, e ele está sempre “na frente da batalha”, não na “segurança da retaguarda”, onde comumente se colocam os oficiais e os protegidos. Soldado se arrisca mais do que os outros das tropas, ele se expõe, e está exposto, de modo geral. Soldado comumente é “peça descartável” do “tabuleiro”, não consegue muita atenção para si mesmo, não vale muito, ou mesmo vale nada, na hierarquia de um exército. Nem “chega perto” do “alto escalão”, sempre é preterido, e “posto em seu devido lugar”. Mas as guerras são ganhas pelos esforços, e baixas, dos soldados. O soldado se sacrifica por uma causa maior e mais nobre. O soldado de Cristo, humilde, se sacrifica pelo Mestre. Primeiro requisito, pois, no soldado de Jesus Cristo: humildade.

Mas a verdade é que poucos se contentam em ser soldado, a maioria quer o “oficialato”. O uniforme é mais bonito, tem mais pompa, as regalias são maiores, e há a “dignidade” da patente, claro. O “olhar de cima” é muito melhor do que sempre ter de “olhar pra cima”. A altivez de galgar os postos disponíveis na “armada” é fascinante, indiscutivelmente mais interessante, em todos os sentidos possíveis. A pessoa se sente superiora, “melhor” que o soldado, faz bem ao seu ego e à sua autoestima ser “mais”. Bom é, aliás, manter em alta a autoestima. Ser sempre soldado é o mesmo que ser um “fracassado”, alguém a quem Deus “fechou os olhos”. Será mesmo isso? O Deus Todo-Poderoso, a Quem nós chamamos de Pai, faria acepção de pessoas? Óbvio que não. Jesus teria os Seus “favoritos”, a ponto de tratar uns de um jeito e outros de outro? Não, não, claro que não. Deus é justo, e o Senhor Jesus, também. A vida varia em suas muitas fases, todos sofrem de modos diversos, mas a salvação é a vitória máxima de qualquer ser humano, e é igual para todos.

Quer ser cristão? Seguidor de Jesus Cristo? Muito bom, uma ótima decisão, a decisão excelente “por excelência”, a melhor de sua vida, mas prepare-se para a “turbulência” e para o “serviço de soldado”. Não que a “turbulência” já não faça parte de sua vida, faz, mas você a verá “com outros olhos”, será diferente. Não que fique mais fácil, como muitos pregam por aí, mas, tenho pra mim, que importa menos, ou algo assim. Meu Deus, eu obtive a salvação de minha alma, e a vida é um sopro, quê me importará algum sofrimento? Ainda, com o Senhor Jesus ao meu lado? Cristianismo não livra ninguém do sofrimento ordinário da vida. Cristianismo, em Jesus, salva, liberta, instrui, faz a pessoa crescer, não “rumo ao oficialato”, mas a ser um “bom soldado”, humilde e consciente de si mesmo e da maldade do Mundo. Muitos “lutam” suas vidas pelas regras do sistema mundano, que é efêmero e, “Puf!”, tudo rui e desaparece; o Cristianismo nos apresenta outra “forma de lutar” as nossas vidas: pelas regras do Reino de Deus, que é Eterno. Nesse passo, pois, melhor ser um “soldado” no Reino de Deus do que um “general” deste (ou neste) século.

© Amor-Perfeito

Frases Etc. (Rubem Alves)

.

“A paixão só se contenta com o eterno” – Rubem Alves.

.

Criado-Mudo (O Terceiro Templo)

“Um grande livro deveria deixar você com muitas experiências e um pouco exausto no final. Você vive muitas vidas enquanto lê” – William Styron.

.

Livro recomendado“O TERCEIRO TEMPLO – Os conflitos Árabe-Israelenses e os choques do Petróleo” Ivan Sant’Anna. Editora Objetiva, 1.ª Edição – 2015 (188 Páginas).

Um pouco sobre o livro: este livro é, ao mesmo tempo, uma obra histórica, um extenso artigo sobre relações internacionais e petróleo, um relato sobre a força do Povo Judeu (protegido por Deus), além de tratar de alguns assuntos Bíblicos, se o leitor estiver atento. Há a História Bíblica se desenrolando desde tempos imemoriais, ininterrupta, e há a História dos povos e nações, de um passado recente até os nossos dias, desvelando os interesses econômicos, políticos, sociais e financeiros dos Estados e de seus líderes. Não é possível, no entanto, dissociar a História Bíblica da História da Humanidade. Ambas estão entrelaçadas, do começo ao fim dos dias. E este livro, na minha opinião, junta as duas vertentes de forma magistral. 

De fato, são vários os assuntos abordados que, misturados, nos mostram algumas verdades incontestáveis. A finitude do petróleo. A luta pelos recursos naturais. O precário equilíbrio do Mundo moderno. O ódio entre povos e nações. Os interesses unilaterais dos países, mundo afora. O egoísmo e o egocentrismo de seus Chefes de Estado. Demonstrações de força bélica. Venda de armas. A vaidade de vaidades dos homens. O sacrifício de pessoas em prol de interesses escusos e nefastos. Guerra e morticínio. Crueldades. Incessantes lutas por território. Maldades e dores. Sofrimentos. Injustiças. Holocausto. Diferenças intransponíveis entre pessoas da mesma estirpe. Intransigência. E muitas outras coisas interessantes, a exemplo de diversas histórias pessoais de homens e mulheres, líderes mundiais, que se destacaram nesse “cenário de horrores” (desculpem-me pelas palavras, mas é isso que a nossa história é: um verdadeirocenário de horrores”). Contudo, ainda que este livro seja, por si só, muito interessante e instrutivo, em verdade, prendendo a atenção do leitor desde a primeira página até a última, se for lido de forma crítica sob a ótica das Escrituras Sagradas, ele se torna mais precioso a quem o lê (meu caso), pois que há de reconhecer a força e o poder do Senhor a cada capítulo, nos eventos narrados. E todos os cristãos devidamente instruídos estão à espera do Terceiro Templo…   

© Amor-Perfeito

Frases Etc. (Dallas Willard)

.

“Estudo sem adoração é também perigoso, e o povo de Jesus sofre constantemente os seus efeitos nocivos, especialmente nos meios acadêmicos. Lidar com as coisas de Deus sem adorar é sempre falseá-las” – Dallas Willard.

.

Frases Etc. (Dallas Willard)

.

“É preciso aliar a adoração ao estudo para completar a renovação da nossa mente pela imersão voluntária na pessoa radiante e digna de todo louvor, Jesus” – Dallas Willard.

.

2 Tessalonicenses 3: 2.

* 1mVersículo 1aVerdade *

“E orai para que sejamos livres de homens perversos e maus, pois a fé não é de todos” – 2 Ts. 3: 2.

A fé não é de todos. Essa é uma afirmação das mais verdadeiras. Há aqueles que se aproveitam da fé para obter para si vantagens das mais ilícitas. Porque se aproveitam das crenças alheias como meio de vida para enriquecerem. Constroem sistemas religiosos nefastos, baseados na Bíblia Sagrada, que são alimentados financeiramente por fiéis piedosos e engodados. Exploram a ignorância alheia e represam recursos e bens para si, em detrimento da desgraça e da pobreza dos outros. Muitas vezes, na plateia dessas igrejas e seitas, as pessoas passam as mais variadas necessidades, mas não deixam de dar seus dízimos e ofertas a esses crápulas estelionatários, que voltam para o conforto de suas mansões, enquanto os pequeninos de Deus voltam aos seus lares, muitas vezes, sem ter o que comer e faltando de tudo, de remédios a outros itens básicos. São estes exploradores que se enquadram no verso, e são homens perversos e maus.

Não é errado que um líder religioso qualquer receba um salário por seu Ministério, desde que nele se ache idoneidade e integridade, principalmente para com o Senhor. Há muitas pessoas nessa condição, que dedicam tempo integral ao serviço de Deus. Esses merecem seus respectivos ordenados, pois que viver custa caro. Se a dedicação é exclusiva a Deus, não há tempo para o trabalho secular. Nem se espera isso daquele que tem um dom de cuidado ou de “pastoreio”. Bom é que essa pessoa exerça mesmo seu sacerdócio, a sua vocação, com total liberdade e apoio, pois são pessoas assim, boas e desprendidas, que ajudam o próximo e diminuem o sofrimento que nos rodeia. Seria ótimo se tivéssemos mais pessoas como estas, não importando se forem padres, pastores, voluntários ou como sejam chamados ou identificados. Importa a retidão de coração e o trabalho digno a Deus, seja remunerado ou não, tanto faz. Há pessoas, aliás, que merecem muito mais do que ganham, e permanecem firmes na vereda que Deus lhes pôs. 

Os homens perversos e maus são bem diferentes disso. Eles se acham “no direito” de se vestirem bem, amam os “holofotes”, adoram o dinheiro, gostam de ser servidos, e pouco ou nada servem. Casas enormes, mansões luxuosas, com a justificativa de que “recebem” muita gente, no mais das vezes. Carros caros, blindados. Muito têm até aviões particulares. Não dispensam o conforto, de jeito nenhum. Vivem no luxo. Aparentam saúde e sucesso, pregam prosperidade, e se colocam como exemplo disso para aqueles que querem o mesmo. Há dois tipos de seguidores dessa gente: o que quer ser igual ao líder de sucesso, e os que são enganados, mas levados pela própria torpeza, porque tratam esse líder como celebridade. Eu já disse aqui que não sou católico nem evangélico, mas cristão, seguidor de Jesus Cristo, contudo pego o exemplo de São Francisco de Assis, frade católico, que era rico e abriu mão de tudo pela causa de Deus. Nesse “caminho” de Francisco não se vê nenhum desses homens perversos e maus, porque eles amaldiçoam aqueles que não dão a eles, religiosamente, os dízimos e as ofertas às suas “igrejas-empresas.

Qualquer pessoa que queira se ver livre de desses homens perversos e maus, deve orar a Deus como diz o verso, para que a liberte. Mas não é só isso: essa pessoa precisa estar com seu coração reto e destituído de torpe ganância. Deve ter desprendimento no tocante às coisas de Deus. O Senhor nos presenteia com inúmeros dons e bênçãos, e Jesus nos ensina: de graça recebestes, então, faça o mesmo, dê de graça. Não minta, com o intuito de ganhar dinheiro e enriquecer, à custa do Santo Nome do Senhor. Jamais faça isso. E as pessoas que queiram “pisar” nesses homens maus e perversos, e evitá-los, devem se livrar de toda ignorância. Devem investir tempo seu no conhecimento das Escrituras Sagradas, devem meditar e refletir sobre o Reino de Deus, e devem criar intimidade com Deus Pai, dispensando e condenando as “panelinhas” de igrejas por aí, que constantemente causam divisões, marginalizam pessoas, e maltratam muitos pequeninos de Deus.

A fé em Cristo Jesus não é de todos. Muitos aparentam ter fé em Jesus, mas são sepulcros caiados, cheios de toda a imundícia: seus interesses não coincidem com os desígnios do Mestre. Quer ser cristão de verdade? Puro e íntegro? Esteja, pois, em constante autoanálise, ore e vigie, aprenda, e estreite relação de intimidade com o Senhor. “Sature-se”, alma, mente e espírito, com o grato conteúdo da Bíblia Sagrada. Pense “fora da caixa”. Respeite as diversidades. Seja tolerante. “Calce os sapatos” do próximo. Aparte-se do mal, o que inclui se afastar de homens perversos e maus. Tenha gratidão pelo Senhor. Aprenda a amar e exercite o “amor-atitude”, que é Mandamento de Deus. Quer, enfim, habitar no Tabernáculo de Deus? Se sim, então, leia o Salmo 15, e veja se você é ou não um candidato a “morador”. Por fim, lembremo-nos todos: se alguém está fora das “especificações” do Salmo 15, sempre há tempo para o necessário arrependimento, mas em vida, nunca depois da morte.

© Amor-Perfeito

Frases Etc. (Thomas Merton)

.

“A fé penetra no intelecto, não através dos sentidos, simplesmente, mas por uma luz infusa diretamente advinda da ação de Deus” – Thomas Merton.

.

Insight (Sempre fazendo o bem…)

.

(Fazendo o bem…).

.

Quando tocamos em algo, deixamos as nossas impressões digitais.

Quando tocamos as vidas das pessoas, deixamos nossa identidade.

A vida é boa quando nós estamos felizes.

Mas a vida é muito melhor quando os outros estão felizes por nossa causa.

Nada na Natureza vive para si mesmo.

Os rios não bebem sua própria água.

As árvores não comem seus próprios frutos.

O sol não brilha para ele mesmo.

E as flores não espalham sua fragrância para elas mesmas.

Jesus não se sacrificou por Si mesmo, mas por nós.

Viver para os outros é uma regra da Natureza.

Todos nós nascemos para ajudar uns aos outros.

Não importa quão difícil seja a situação em que você se encontre…

Continue sempre fazendo o bem!

Autor Desconhecido

.

Frases Etc. (Rubem Alves)

.

“Nós, os humanos, temos essa horrível e maravilhosa capacidade de sofrer pelo que não existe. Somos neuróticos” – Rubem Alves.

.

Frases Etc. (Bill Sawyer)

.

“Você sempre pode escolher, entre uma e outra perspectiva: reclamar que as roseiras, a despeito das rosas, têm espinhos; ou se regozijar com as roseiras, a despeito dos espinhos, porque nela florescem rosas” – Bill Sawyer.

.

Salmo 44: 22.

* 1mVersículo 1aVerdade *

“Contudo, por amor de ti somos mortos o dia todo; somos considerados como ovelhas para o matadouro” – Sl. 44: 22.

Li e reli este verso, tentando entendê-lo. Li e reli este verso, buscando entendimento. Nem sei quantas vezes… Parece que o verso fala sobre disposição e submissão. O cristão deve estar disposto e disponível para servir o Mestre, o dia todo, todos os dias. O cristão deve se submeter ao Senhor Jesus, e a ninguém mais. Claro que existem várias obrigações inerentes à vida cristã, especialmente com relação ao cumprimento dos dois maiores Mandamentos de Deus (Mateus 35 a 40). Quem é o cristão? Ou o que é um cristão? Essas duas perguntas se fizeram presentes nas minhas reflexões por muito tempo, e ainda estão me rondando. Cristão, por definição e lógica, é aquele que “segue” o Senhor Jesus. Mas acho que a resposta é mais profunda. Tem a ver com o coração e com o mais íntimo da pessoa. Não há como saber se alguém é cristão, porque essa condição está desvelada apenas em seu âmago. Só Deus vê.

Quem é cristão, pois? Será aquele que carrega consigo, em seu ser mais interior, recôndito de Deus, a marca de amor do Mestre? O Selo do Espírito Santo da Promessa? Pode ser tudo isso, é tudo isso, mas tem mais, acho. Eu creio que deva existir um relacionamento com Deus, uma proximidade que, muitas vezes, a religião não nos proporciona. Difícil de “pintar o quadro” de se ter intimidade com Deus. Só quem tem, sabe o que é. Afinal, alguém já viu a Deus? Ou Ele é visto aqui e ali, a todo o momento? Não, o Senhor se manifesta no Mundo por intermédio de Seus filhos, de todos aqueles que se submeteram a Jesus, o Cristo de Deus. Assim, alguém não pode ser chamado ou identificado como cristão apenas porque frequenta esta ou aquela igreja. Tem cristão que não é cristão. E tem cristão que é cristão. Este, geralmente, aparenta ser “menor” do que o primeiro. O cristão que é cristão se dispõe, está disponível, e é submisso (a Deus).

Contudo, essa submissão não é uma forma de escravidão, mas de liberdade assistida por Deus. Não é algo ruim, ou que possa ser visto como pejorativo. Na verdade é uma honra concedida ao ser humano, um presente dos Céus, o mais valioso bem de alguém. Como é bom ter consciência e percepção das Escrituras Sagradas. Como é gostosa a lida com Deus Pai e com Jesus, diariamente. Não confundir isso com as dificuldades da vida, que sempre estarão nos rodeando. Cada coisa “no seu galho”. Fiquei pensando nisso tudo muito tempo, e vi como nós gostamos de nomes, de definições e de outras bobagens. Refleti, e vi que “cristão” é o gênero, do qual derivam vários outros termos. Mas “cristão” é o que realmente importa. Ser “cristão” é a “chave” do Reino de Deus. E isso se dá na esfera privada do coração, onde só a pessoa e Deus interagem.

Religião, como disse, muitas vezes é um empecilho para a verdadeira adoração. Mas não as condeno, de forma alguma. Eu conheci a Deus, por Jesus, graças a uma delas. Se eu escrevo textos dedicados a Deus, hoje, com o fim de ajudar os outros a pensar e a refletir no Senhor, isso eu devo, antes, a uma forma de religião, a que aderi e que me ensinou os rudimentos, a base e os fundamentos do “edifício” que sou agora, e que continua sendo construído, dia após dia, como a ovelha que vai para o matadouro. Assim, pense em alguém que tem uma religião diferente, mas baseada em Cristo Jesus, na Bíblia Sagrada. Para facilitar o exemplo, vamos pegar um Católico e um Batista, pronto. Tem Católico cristão e não cristão; e tem Batista cristão e não cristão. Ser Católico ou Batista importa menos do que ser, simplesmente, cristão. O cristão “é morto” todos os dias pelas misérias alheias, pela maldade do ser humano, pela falta de amor ao próximo, pela pobreza, pela ignorância dos povos, por tudo que afronta a Deus Pai. Diante de fatos como estes, nós somos impotentes, como “ovelhas mudas” sendo levadas para o matadouro. Porém, carregamos conosco, em “nossos fardos”, o triunfo do Senhor, que se sobreporá sobre tudo o que é ruim neste Mundo. Um dia, breve, não sei…

© Amor-Perfeito

Frases Etc. (Dallas Willard)

.

“Seguramente o comportamento dos outros se transformará diante do choque de serem tratados com amor, justiça e misericórdia” – Dallas Willard.

.

2 Tessalonicenses 1: 6.

* 1mVersículo 1aVerdade *

“Deus é justo: Ele dará em paga tribulação aos que vos atribulam” – 2 Ts. 1: 6.

Deus é justo! Sim, Ele é! Mas essas palavras são fortes. E requerem discernimento de nossa parte, para entendê-las. Nós não devemos tomá-las como um desejo nosso, de jeito nenhum, em nenhuma circunstância. Desejar o mal a qualquer pessoa é errado, apesar de que somos humanos, e isso acontece dentro de nós, por vezes. Parece mais uma situação de causa e efeito, problema exclusivo de Deus Pai. Colher aquilo que se planta é uma parábola Bíblica, o fruto corresponde àquilo que lhe deu origem, não pode ser diferente. E é uma metáfora para tudo o que fazemos nesta vida. Logo, portanto, planta-se o bem e se colhe o equivalente; planta-se o mal, e os males se voltam contra o indivíduo. Simples assim (Gálatas 6: 7). Trata-se, pois, de uma Lei e de um Princípio Espirituais. Não há quem se esquive disso. E é a intenção do coração que “dita” a “sanção”, ou correção, de Deus. Nesse meio há, ainda, a misericórdia de Deus, que é aplicada segundo critérios únicos do Senhor (Romanos 9: 15 e 18).

Como nada sabemos a respeito do modo como o Senhor aplica a misericórdia, o melhor mesmo é buscarmos ser boas pessoas, com intenções boas em nossos íntimos. Não desejar o mal a ninguém, em hipótese alguma. E alinharmos os nossos corações à vontade do Pai, em Jesus, especialmente pelo que aprendemos nas Escrituras Sagradas. É preciso esforço e foco para agir assim, porque nossa natural “humanidade” nos desvia, frequentemente, da Boa Vereda. Óbvio, mas nunca demais dizer, que somos seres fracos, frágeis, e suscetíveis a ceder diante de certos anseios e tentações (Provérbios 28: 21, 2.ª Parte). Todos nós temos “pontos fracos”, e fragilidades as mais diversas. Ser humano perfeito? Só um: Jesus. Mas Jesus é Deus, logo, fica difícil, melhor – fica impossível, se fazer qualquer comparação. E a Trindade nos ajuda sempre a darmos o melhor de nós, a nós mesmos, a Deus, ao próximo, e ao Mundo. Somos o que somos, ora, Deus sabe, e “alivia”, muito, as nossas “dívidas”, por Jesus, tanto as do passado (Colossenses 2: 13 e 14), como as do presente e do futuro (Hebreus 12: 3 a 7).

Todos os seres humanos estão “em dívida” com o Senhor, ninguém escapa disso. Jamais poderemos “pagar” o que Ele fez e faz por nós. Entretanto, talvez, Ele se alegre com um coração contrito e íntegro, e em ver em nós o amor que a Ele devemos. O querer agradá-Lo, e a nossa busca por fazer o bem. O Senhor deve se alegrar, também, em ver em nós a preocupação e o cuidado com o próximo, e a partilha das “dores” e dos “amores”. Essas coisas bem podem “compensar” os nossos erros e falhas, diante de Deus e dos homens, especialmente porque Deus é Pai, amoroso e zeloso conosco. Deus é justo! Jesus é o Justo de Deus! Sim, Ele é!

Eu separei esse verso porque tive e estou tendo muita tribulação com certa situação de vida, ligada ao meu trabalho. É horrível ter de lidar com pessoas presunçosas, arrogantes e vaidosas, e eu as encontro sempre, infelizmente. Tenho pena dessas pessoas, em primeiro lugar, mas também nutro desprezo e raiva por elas, algumas vezes. Não é bom pra mim isso, claro, eu sei. Desgasto-me a toa, e fico remoendo. Daí li o verso-título deste texto, e logo me lembrei de que não devo me alegrar pelo mal recebido pelo meu “inimigo” (Provérbios 24: 17 e 18). Como resolvo isso? Bem, devo entregar ao Senhor o meu coração e a tribulação recebida do outro/a, confiar Nele, e esperar. Se precisar fazer alguma coisa, faço, mas de coração “limpo”. Aqueles ou aquelas, que me atribularam ou atribulam, estarão em pior estado nas mãos do Senhor (Hebreus 10: 31), meu Vingador (Romanos 12: 19), do que nas minhas. E como posto acima, quem quer que seja que me atribule, inevitavelmente será atribulado pelo Senhor, dependendo (acho eu) do que o Senhor encontrar em meu coração. E frise-se bem: não se trata de desejo meu, mas de Lei e de Princípio Espirituais, como dito. Causa + efeito = consequências. Ponto. Só preciso manter meu coração puro, e agir de acordo, esperando por Deus Pai. Com isso, todas as afrontas, sem exceções, serão objeto de acertos, vindos dos Céus (Salmo 44: 5 a 7). E “ai” daquele/a que estiver na “mira” do Senhor, nesse passo…

© Amor-Perfeito

Frases Etc. (Saadat Hasan Manto)

.

“Aqueles que pensam que religiões podem ser mortas pelas armas são tolos” – Saadat Hasan Manto.

.

Frases Etc. (George Santayana)

.

“Apenas os mortos viram o fim da guerra” – George Santayana.

.

Salmo 39: 4.

* 1mVersículo 1aVerdade *

“Faze-me conhecer, ó Senhor, o meu fim, e a medida dos meus dias; faze-me conhecer a minha fragilidade” – Sl. 39: 4.

Salmo de Davi, e eu creio que o Senhor não o atendeu em seu primeiro pedido do verso. Fala-se muito sobre o momento da morte, porém, salvo engano (meu), ninguém sabe quando e como será sua própria morte. Um ser humano muito especial, entretanto, aparentemente sabia: Jesus. Mas Jesus é Deus, não conta. Os filhos dos homens não sabem seu destino, nem mesmo no minuto seguinte de vida. No máximo, há uma mera expectativa. Gosto, frequentemente, de lembrar de certo apresentador de TV, que, terminado seu programa, sempre dizia: “até amanhã, se Deus quiser”. Muito sábia essa saudação de despedida, porque é exata e correta, muito feliz e adequada. A maioria das pessoas se despede com somente o “até amanhã”, e, com o devido respeito, claro, a mim essa me parece uma despedida revestida de soberba e de arrogância, mesmo sem que exista essa intenção, soa assim. Porque só o Senhor sabe o fim dos nossos dias, e não é pertinente, portanto, omitir o “se Deus quiser” da frase.

Mas tudo bem, isso não é uma crítica minha, longe disso, não mesmo, é, na verdade, apenas um pouco de “combustível”, para ser “queimado” em reflexão. Mas que o Senhor nos adverte sobre isso, bem, isso Ele faz, com todas as letras: E agora, vós que dizeis: Hoje ou amanhã iremos a tal cidade, lá passaremos um ano, negociaremos e ganharemos. Ora, não sabeis o que acontecerá amanha. O que é a vossa vida? É um vapor que aparece por um pouco, e logo se desvanece. Em lugar disso, devíeis dizer: Se o Senhor quiser, viveremos e faremos isto ou aquilo. Vós vos jactais das vossas presunções. Ora, toda jactância tal como esta é malignaTiago 4: 13 a 16. Por certo que estes versos de Tiago se prestam a qualquer situação de vida, e o exemplo é meramente figurativo. Não nos é tirada, no entanto, a nossa capacidade (e necessidade) de fazermos planos e de buscarmos a realização de sonhos. Não, de jeito nenhum. Precisamos “compor” os nossos horizontes e temos quase que a obrigação de sonhar.

Sempre digo que se uma pessoa quer exercer a medicina, deve empenhar anos de sua vida, para alcançar seu objetivo (plano e/ou sonho). Ninguém se torna médico “num passe de mágica”. Não há quem ore a Deus, de noite, pedindo para ser médico, e acorde médico, na manhã seguinte. Para cumprir e atingir nossos planos e sonhos, com a ajuda de Deus, nós precisamos, geralmente, de muito empenho e esforço. É preciso investir tempo e dinheiro nessas empreitadas. Na Medicina, por exemplo, são seis anos de faculdade, mais certo tempo de residência, e, finalmente, mais alguns anos de especialização e prática. Depois disso, finalmente, teremos um médico, e lá se foi cerca de dez anos da vida da pessoa. A questão toda se resolve no coração do pretenso candidato a qualquer coisa (sonho/plano): se houver presunção, coisa maligna; se houver humildade e desprendimento, nada há de errado, pelo contrário, é o esperado por Deus e pelos homens. Conheci uma menina que nasceu muito doente, e jamais desistiu de viver. Por volta de seus vinte anos, ela começou a cursar Psicologia, mas morreu antes de completar o curso. Está com o Senhor, e fez o que devia fazer, com coração reto. Belo exemplo.

Qualquer coisa que se faça com coração reto, sem presunção, arrogância e soberba, é coisa feita de forma correta, na base do “se Deus quiser”. Dando ou não dando certo, assim, está tudo bem, está tudo certo, Deus sabe. Ninguém sabe o que a vida nos reserva, e os planos e os sonhos nos dão razão para viver. Nós não nascemos para sermos apáticos e fatalistas. Precisamos de todo incentivo possível, precisamos produzir, sermos úteis, bons ao próximo, retos de coração. No Senhor, nós podemos fazer de tudo um pouco, tudo dentro de nossas naturais limitações. Algumas pessoas são privilegiadas, outras nem tanto, mas todos que creem em Deus, por Jesus, de forma íntegra, são agraciados com aptidão, ânimo, coragem, força e fé para lidar com as agruras da vida, e muitos de seus planos e sonhos acabam realizados. Às vezes não da forma prevista e esperada, mas melhor e com mais perfeição. A menina que cursava Psicologia era mais frágil do que aqueles com saúde normal. Mesmo assim ela se empenhou e fez o melhor que pôde. Lindo isso. Hoje ela certamente não precisa da cadeira de rodas que obrigatoriamente a levava para todos os lugares. Nós não temos como saber o dia de nossas respectivas mortes, coisa certa que há de acontecer. Contudo, nós temos a obrigação de saber e de ter consciência de nossa fragilidade, e não cometer o erro de sermos presunçosos. Cônscios, pois, “full time”, do “até amanhã, se Deus quiser”, com retidão, humildes e serenos, em Jesus.

© Amor-Perfeito

Frases Etc. (Henry Ward Beecher)

.

“Mantenha em seu quintal um cemitério de bom tamanho, para nele enterrar todas as faltas dos seus amigos” – Henry Ward Beecher.

.

Criado-Mudo (O Caminho do Senhor)

Um livro é um brinquedo feito com letras. Ler é brincar– Rubem Alves.

.

Livro recomendado: “The Way of the Lord”  (O Caminho do Senhor) – Nicholas Thomas Wright. Editora Palavra, 1.ª Edição brasileira – 2011 (130 Páginas). Título em PortuguêsO CAMINHO DO PEREGRINO – A vida cristã é uma jornada espiritual.

Um pouco sobre o livro: este livro foi escrito na Inglaterra, por volta de 1998, e aqui no Brasil foi lançado em 2011, porém, com o mesmo título do livro de Laurentino Gomes e de Osmar Ludovico, de 2015. Por conta disso, e para não confundir, optei por marcar aqui, num primeiro plano, o título em inglês da obra original, que foi lançada no ano de 1999, no Reino Unido (UK). O CAMINHO DO PEREGRINO, portanto, desta indicação específica, não é o mesmo livro sobre o qual eu já escrevi no passado (em 10 de março de 2016 – vide Post aqui mesmo, no Amor-Perfeito). É bom salientar, desde logo, que ambas as obras são excelentes leituras. Contudo, este livro em particular, que acabei de ler, é uma preciosidade a qualquer crente em Jesus, ou cristão. Sem qualquer bandeira (senão Cristo), ele serve a qualquer pessoa que ame o Senhor Jesus, nosso Mestre. O conteúdo do livro é bastante reconfortante, e pode-se “captar” o amor e a fé contagiantes do autor ao escrevê-lo.

Ao lê-lo, a edificação de nossa fé é automática e crescente. Ótimo para os “imediatistas” e “ansiosos”, dos nossos dias (eu entre eles). É uma leitura muito confortável e agradável, e dá para sentir o agir do Espirito Santo de Deus, no decorrer de seus capítulos. Pelo menos, foi assim comigo. Livro pequeno, 130 páginas só, mas denso, não no sentido de leitura difícil, não. A mensagem é direta e simples, de fácil compreensão, por um lado; mas de outro lado, a mensagem nele contida é muito mais rica em sabedoria do Reino de Deus do que aparenta ser possível, somente tendo-o em mãos. Parece um hábil resumo de um livro enorme, de modo que, definitivamente, N.T. Wright foi guiado pelo Espírito de Deus na empreitada de escrevê-lo, e isso a cada “vírgula”, sem qualquer exagero. Na verdade, este livro é uma “banquete” a qualquer pessoa que o leia. É uma “refeição espiritual” completa e farta, muito “saborosa” e “nutritiva” ao coração, à alma e ao espirito de qualquer pessoa que o “devore”. Bênção na certa! Leia.  

© Amor-Perfeito

Frases Etc. (Thomas Merton)

.

“A gratidão mostra sua reverência a Deus pela maneira como ela faz uso dos Seus dons” – Thomas Merton.

.

Frases Etc. (N.T. Wright)

.

“Jesus, o Messias, estabeleceu através de sua morte e ressurreição um reino que ofusca todos os sonhos políticos do mundo” – N.T. Wright.

.

Salmo 37: 3.

* 1mVersículo 1aVerdade *

“Confia no Senhor e faze o bem; habita na terra, e vive tranquilo” – Sl. 37: 3.

O Salmista fala em fazer o bem e viver tranquilo. Claro, confiando sempre no senhor. Habitar da terra é o mesmo que “ocupar” um corpo de carne e ossos que, em verdade, não é nosso. O hábito nos faz dizer “meu corpo”, mas isso é, a meu ver, quase uma figura de linguagem, porque o corpo no qual habitamos não é nosso. A Bíblia nos diz que o corpo humano vem do pó e ao pó voltará, quando terminada a vida do indivíduo que o ocupa. De novo, nós somos “mordomos” das coisas de Deus, e isso inclui todos os cuidados com os nossos corpos mortais. E veja-se só, neste específico caso, mesmo os que não creem em Cristo Jesus, estão também nesses termos, em se tratando de seus próprios corpos, isto é, são “meros mordomos”, “usuários” temporários. A frase de nu saí do ventre de minha mãe, e nu tornarei para lá (parte de Jó 1: 21), está em sentido de ênfase ligada ao seu raciocínio de argumentação, não sendo algo literal, porque a “nudez” mencionada é física, é circunstancial, e, de fato, não lhe pertence, não é dele, tampouco não é a nossa, na mesma esteira.

E esse corpo mortal nos causa vários embaraços durante a vida, não? Nós somos a parte imortal, imaterial, invisível (alma, espírito), que está revestida pelo corpo. Todas as sensações materiais e sensoriais que experimentamos em vida, nos são possíveis por intermédio desse corpo mortal. Mas, no fim, sobra só aquilo que somos em essência, e o que construímos nesta vida em Cristo Jesus. O resto passa, fica, e é destruído de alguma forma. Nós todos, como bem dito por , “tornaremos para lá”. Enquanto estamos por aqui, no entanto, precisamos ficar e estar empenhados em fazer o bem, sempre. E nós até conseguimos isso, com certa facilidade, porém, viver com tranquilidade é outra conversa. Tenho pra mim de que o verso é um conselho, não uma afirmação. Se for uma afirmação o Salmista foi muito otimista, para dizer o mínimo. A vida é muito complexa e as questões internas de cada ser humano são, igualmente, bastante intrincadas. O meio em que vivemos é cheio de percalços, e o sistema mundano é terrível. Dores, malfeitos e maldades por todos os lados; interesses próprios, poder, injustiças e ganância em todos os lugares.

Como, pois, nós podemos viver tranquilos em meio a esse “turbilhão” que chamamos de vida? Se confiarmos no Senhor, a verdade é que temos alguma vantagem em relação a quem Nele não confia. Confiar no Senhor nos traz paz e serenidade internas, coisa difícil, senão impossível, de se achar no Mundo. Mas é preciso confiar em Deus Pai, por Jesus. É importante frisar isso, apesar de óbvio, porque muitas pessoas, desavisadas, acabam confiando em igrejas e em líderes religiosos, para resolver seus problemas e demandas, ao invés de puramente confiar em Deus, como seria de se esperar. Muitos desses líderes se ocupam em fazer os fiéis acreditarem que a “barganha” e o “ativismo” funcionam com o Senhor. Mas não, não funcionam. Funciona, decerto, um coração contrito, íntegro e sincero, nada material. Mesmo assim esses falsos profetas enganam potenciais pequeninos de Deus a se enlaçarem com a obrigatoriedade de dízimos, a darem ofertas escandalosas, a fazer campanhas inúteis, a se envolverem nas mais variadas teorias conspiratórias, a participarem de congressos e seminários duvidosos, a se prestarem a fazer “curas e libertações”, e por aí vai.

Isso quando tudo o que uma pessoa precisa fazer para resolver suas pendências é pedir a Deus Sua graça e misericórdia, por Jesus. Só pedir a Ele, simplesmente. Ninguém precisa se sujeitar à ladainha desses falsos líderes religiosos, que estão por toda parte, não. Só precisamos de Jesus Cristo em nossas vidas. Não precisamos de atividades de igrejas e de campanhas, de falsas promessas, não; precisamos de honestidade, idoneidade e palavras de fé. O Cristianismo não é uma vereda livre de obstáculos. Caminhar com Deus Pai, em Jesus, não é fácil: é um caminho estreito (“Se a estrada é fácil, você, provavelmente, está indo pelo caminho errado – Terry Goodkind). C.S. Lewis disse, certa vez: “Se você está à procura de uma religião que o deixe confortável, definitivamente eu não lhe aconselharia o Cristianismo”. Jesus diz para o crente pegar sua cruz, e O seguir (Mateus 16: 24 a 26). Daí você vê esses falsos profetas anunciando e prometendo às pessoas um “evangelho cor-de-rosa”? Ora, pois, quem há de estar errado: todos esses “iluminados” ou a Bíblia Sagrada?

As coisas de Deus e do Reino de Deus, que nos são postas à disposição quando nos entregamos a Jesus, são reais e verdadeiras, e seu conjunto se perfaz no melhor estado/condição que existe para o ser humano. Mas viver é ter contato com todo tipo de sofrimento, incluindo os dos outros, e a malfadada “dor de mundo”. Todo aquele que promete a alguém o livramento do sofrimento e das dificuldades em sua igreja ou coisa parecida, é um mentiroso. O Senhor Jesus promete estar conosco durante toda e qualquer fase difícil de nossas vidas. O Senhor Jesus promete estar conosco todo o tempo de nossas vidas. “O relacionamento com Deus não promete o livramento sobrenatural das dificuldades, mas o uso sobrenatural delas” – Philip Yancey. A impotência e a fraqueza diante de situações de vida adversas são absolutamente normais, e isso nos leva à grata dependência de Deus. Aceitar a Jesus ou ir a uma dessas igrejas “milagreiras” não torna ninguém “super-humano” ou imune às dificuldades e tristezas da vida. E prosperidade não é um “divisor de águas”, a demonstrar que alguém está ou não próximo de Deus. Ter Deus no coração é, por isso, a maior vitória de qualquer ser humano: se relacionar com Deus, e se colocar/estar diante Dele, em integridade e sinceridade. Nada é maior que isso. Nenhuma condição humana supera esse bendito estado. Então, a nossa parte é confiar em Deus, fazer o bem em todo o tempo, e viver na tranquilidade que só Ele pode nos proporcionar, até quando o Senhor quiser. Nada é nosso; tudo é Dele – incluindo as nossas vidas, claro. Deus Pai precisa estar no centro de todas as coisas e motivações, sempre, para que tudo dê certo, do modo Dele, não do nosso, ou, pior, do modo de homens/mulheres autoproclamados/as “ungidos/as de Deus”.

© Amor-Perfeito

Frases Etc. (Henry Ward Beecher)

.

“Deus não pergunta a nenhum homem se ele aceita a vida. Isto não é uma escolha. Você deve encarar isso, e vivê-la. A única questão é como” – Henry Ward Beecher.

.

Frases Etc. (Rubem Alves)

.

“Faz tempo que para pensar sobre Deus não leio os teólogos, leio os poetas” – Rubem Alves.

.

Frases Etc. (Thomas Merton)

.

“É a fé, não a imaginação, que nos dá a vida sobrenatural; a fé é que nos justifica; a fé é que nos conduz à contemplação” – Thomas Merton.

.

Frases Etc. (Dallas Willard)

.

“Os discípulos de Jesus são aqueles que querem assimilar em si a ordem do Reino no Meio de Nós. Desejam viver a vida Nele, como o próprio Jesus o faria” – Dallas Willard.

.

Salmo 34: 3.

* 1mVersículo 1aVerdade *

“Engrandecei ao Senhor comigo; juntos exaltemos o seu nome” – Sl. 34: 3.

Um bom e grato convite, esse do verso. Nós poderíamos tomá-lo emprestado de Davi, até, como um chamado nosso a alguém que não conhece ao Senhor, como se deve. Muita gente diz que acredita em Deus, que existe “algo” por detrás de tudo o que vemos (e do que não vemos), e que no final “entenderemos” tudo, de qualquer maneira. Porém, esse não é o melhor modo de resolver essa questão, visto que há como conhecer o Senhor ainda em vida, e manter um sadio e proveitoso relacionamento com Ele. O primeiro passo é conhecê-Lo por meio das Escrituras Sagradas. Na Bíblia Ele se revela ao ser humano, Ele se faz conhecer e, não é preciso dizer: a Bíblia não é um livro qualquer, não, pelo contrário, é um Livro especial, e espiritual. A pessoa pode querer ler a Bíblia como se fosse um livro qualquer e, com isso, não digo que não terá efeito, terá, a meu ver, mas não se verificará na pessoa a eficácia total do Livro Sagrado. Porque o estado de espírito da pessoa deve estar voltado para a busca de Deus. É algo que se deve fazer com consciência e fim.

Mas, de todo modo, eu tenho uma teoria minha, particular, de que a Bíblia Sagrada “alimenta” e “conforta” qualquer coração que A leia. O conteúdo da Bíblia Sagrada é alimento espiritual para a alma e para o espírito. E quando alguém está ciente disso, faz uma “refeição” muito mais “saborosa” e “nutritiva”: desfruta de uma “lauta refeição”, pois. O ser humano é carente em praticamente todas as áreas de sua breve e curta vida. O “elemento” que o completa, “aqui embaixo”, é o Espírito Santo de Deus. No Céu O veremos, e Ele nos verá como O veremos. “No lado de cá”, no entanto, precisamos do Senhor, porque somos seres incompletos, e fomos criados com um vazio dentro de nós, que não é propriamente um defeito, não, mas um espaço especialíssimo em nós, deixado vago de propósito, a ser ocupado pelo Senhor, pelo Espírito Santo. Esse é o significado máximo de se “ter Deus em sua vida”. Contudo, o Senhor nos preenche só se quisermos, e é preciso pedir isso a Ele, por Jesus. Pedir em oração, na mente, em secreto, em público, com voz audível, não importa como: só pedir, humildemente, uma só vez, em Jesus. Pediu, passa a ser filho de Deus. O Senhor não recusa ninguém, que Lhe peça isso com sinceridade e de coração.

Depois desse pedido, só a própria pessoa, segundo consta, pode “apagar” em si mesma a “luz” do Espírito Santo de Deus. Porém, pouco, ou mesmo nada, sei a esse respeito, mesmo lendo trechos da Bíblia sobre o tema. O julgamento é de Deus Pai, só Dele. De todo modo, depois dessas coisas, o crente em Jesus deve criar o hábito de ler as Escrituras todos os dias. Faz-se comparação com o jejum, nesse passo: ficar sem ler a Bíblia é o mesmo que ficar sem comer; alimento para alma/espírito/coração, em paralelo ao alimento para o corpo. É preciso comer bem, e regularmente, para ter energia e saúde, “combustível”. Espiritualmente falando, o raciocínio é o mesmo. Quem não come enfraquece e adoece; o mesmo acontece, espiritualmente, com o cristão que não A lê. Depois disso tudo, ao crente “bem nutrido” é necessário, ainda, o estabelecimento de um relacionamento de intimidade com Deus Pai. Isso mesmo: Deus, Pai. E é relacionamento mesmo, como interagimos entre nós. Conversar com Deus, sempre, a qualquer hora, em todos os momentos. Lembremos todos nós, pois, de que “viver é respirar”, logo, o viver em Cristo, com Deus, e para Deus, é como “respirar”: se parar… Com todas essas coisas “em nós”, fica difícil “rejeitar” o convite do rei Davi, que, como dito, convida: “Engrandecei ao Senhor comigo; juntos exaltemos o seu nome”Salmo 34: 3. Ora, diga se não? Fica o convite, posto está!

© Amor-Perfeito

Frases Etc. (Dallas Willard)

.

“Na adoração atribuímos grandeza, bondade e glória a Deus. É típico da adoração inserir nela todo aspecto possível do nosso ser, todas as nossas faculdades sensórias, conceituais, ativas e criativas” – Dallas Willard.

.

Filipenses 4: 6.

* 1mVersículo 1aVerdade *

“Não andeis ansiosos por coisa alguma, mas em tudo, pela oração e pela súplica, com ações de graças, sejam as vossas petições conhecidas diante de Deus” – Fp. 4: 6.

Viver não é tão simples, pelo contrário, apesar de ser uma dádiva de Deus estar vivo, a vida é muito complicada e cheia de percalços. E é da natureza humana o “ser” ansioso. A ansiedade está presente em todos nós, em maior ou menor grau, mas sempre incomodando. Tem ansiedade que até é boa, mas a maioria daquilo que consideramos como ansiedade, nos “maltrata” e “tortura”. E tem ansiedade que é doença. O conselho do verso é para que não andemos ansiosos; mas, como se diz por aí, falar é fácil. A verdade é que todos nós padecemos diariamente com algum tipo de ansiedade. Alguns dias são piores do que outros, e vamos vivendo. Um medicamento, próprio para isso, por vezes, nos tranquiliza um pouco. Porém, creio, a ansiedade faz parte da vida, e não há o que nos livre dela totalmente. Gosto de pensar que nós podemos “racionaliza-la”, e quando conseguimos isso, se porventura conseguirmos, seus efeitos são aplacados, diminuídos, minorados, atenuados, porém, nunca anulados e eliminados.

No entanto, nem todo mundo tem força em si mesmo de “racionalizar” e de se livrar, com isso, de parte dos efeitos nefastos que a ansiedade nos causa. O verso nos diz que podemos orar a Deus pelas coisas que nos incomodam. Diz, também, que se o desespero e a angústia forem grandes, podemos até suplicar a Deus por algo. A súplica, talvez, seja uma oração na qual colocamos mais sentimento, seria uma prece bem mais intensa do que eventual oração normal e corriqueira, isto é, fora do cotidiano, e em momentos sensíveis ou de crise. As ações de graças são os constantes agradecimentos a Deus, que Seus filhos nunca se cansam de externar, de um jeito ou de outro. Não há um dia sequer em minha vida que eu “não me pegue” agradecendo a Deus, “do nada e por tudo”, louvando o Seu nome, não no sentido de canto, mas em forma de “palavras internas” de gratidão a Deus, ao Senhor Jesus e ao Espírito Santo. E, às vezes, falo/converso com o Senhor como “se falasse sozinho”, isto é, com palavras audíveis, ao vento (mas é com Ele que falo). De repente, nós “trombamos” com alguém na rua “falando sozinho”, e logo pensamos que o cidadão é “doido”, “maluco”, mas não, nem sempre, em verdade, ele pode estar orando. Pode acontecer, ora. Ou não?

O importante, entretanto, é que as nossas petições cheguem até o Senhor. Que elas sejam conhecidas Dele. Todo crente em Jesus ora a Deus. Nem todos tem o dom de oração, que é uma espécie de sacrifício pessoal, com propósito certo e definido, geralmente de orar por horas a fio. Mas todos os cristãos têm de orar, todos os dias, caso contrário, não há o imprescindível relacionamento da pessoa com Deus Pai, não se estabelece intimidade com o Senhor. E isso é muito ruim. Contudo, oração não é mera repetição de palavras, do modo que for, nem tampouco é pensamento positivo, ou coisa parecida. Não. Oração é uma conversa aberta com Deus Pai, livre de qualquer impedimento, pela qual nos expomos a Deus, completamente. Isso porque essa conversa jamais poderá ser realizada de um ser humano para outro, visto que nós vemos apenas o exterior um dos outros, mas o Senhor vê o coração, o âmago, a essência de cada um de nós. Não nos é possível esconder nada de Deus, ao passo que dos outros, omitimos o que quisermos.

Assim, se estivermos com a intenção errada no coração, ao conversarmos com Deus, Ele saberá imediatamente. Dissimulação não funciona com Deus, não. Tanto é que a Bíblia nos diz que Deus se agrada de um coração contrito, sincero, honesto e íntegro. Oração sem retidão não é oração, é afronta e provocação a Deus, que nos escuta, e vê a nossa “nudez”. A grande vantagem de se estar próximo de Deus Pai, íntimo Dele, de todo modo, é saber que Ele existe, e que nos ouve, e nós podemos interagir com Ele onde, quando e como quisermos. E Ele, da mesma forma, como bem quiser, conosco. Esse relacionamento de intimidade com Deus realmente faz diferença a quem o experimenta e vive. Não que as ansiedades desapareçam por completo, não, salvo se existirem verdadeiros iluminados por aí (eu, pessoalmente, não conheço nenhum…), mas que as ansiedades tornam-se menos nocivas a nós todos, isso é certo. Deus é Pai, como bem sabemos, mas podemos tê-Lo também como melhor Amigo, Amigo esse com Quem podemos conversar e falar de tudo um pouco, sem censuras e receios, com profundidade, e Ele nos ouve e nos ajuda. Oração, súplica, interação (conversa), amor, paixão, amizade, desvelo e gratidão. Com Deus, nosso Pai, e melhor Amigo (João 15: 15).

© Amor-Perfeito

Frases Etc. (Henry Ward Beecher)

.

“A Providência de Deus está ao lado de mentes limpas” – Henry Ward Beecher.

.

Frases Etc. (Thomas Merton)

.

“A distância mais longa á aquela entre a cabeça e o coração” – Thomas Merton.

.

Filipenses 3: 7.

* 1mVersículo 1aVerdade *

“Mas o que para mim era lucro, considerei-o perda por causa de Cristo” – Fp. 3: 7.

Paulo é um dos ícones do Cristianismo. Sem dúvida alguma ele foi uma pessoa especial, no sentido de entrega pessoal a Deus. Sua devoção era prática, e envolvia tudo o que ele fazia. Ele “vestia a camisa”, como se diz, popularmente. Poder-se-ia dizer que Paulo era “pau pra toda obra”, na gíria de nossos dias. E era mesmo: com ele “não havia tempo ruim”, ele fazia o que devia fazer, sempre, não importava o “custo”, e ponto final. Com ele as coisas eram segundo o ditado, “preto no branco”, até mesmo quando perseguia a igreja. Sempre intenso, e muito zeloso, esse Paulo. Mas era sincero também. E claramente ele nos diz que desde Jesus em sua vida, muita coisa mudou. Seus valores e convicções foram afetados. Suas verdades viraram pó, e seus credos caíram por terra.

Isso é o que acontece com todo aquele que se entrega a Cristo Jesus. Jesus não é mera religião, ou doutrina que se siga para a obtenção de favores e dádivas. Seguir a pessoa do Mestre não envolve barganhas, nem é algo passível de precificação. Pelo contrário, o desprendimento é o que importa para o seguidor de Jesus, e a sinceridade e a honestidade. Integridade, melhor ainda. Um exercício de percepção pode ser feito por qualquer discípulo Dele: “olha-se” o passado, com critério, “julga-se” o presente, com júbilo, e “antevê-se” o futuro, com fé, esperança e amor. O resultado disso é “um frio na barriga” pelo passado, uma serenidade indizível (paz) no presente, alheia a todos os problemas, e, por fim, uma maravilhosa expectativa para o futuro, sempre em Jesus, Eternamente Nele. Essas coisas nos fazem considerar como “perda” o que antes era o nosso “lucro”.

Nem todas as pessoas são tão intensas como Paulo foi. Ele teve sua vida, e a viveu da melhor forma que pôde, pelos relatos que temos. Está com Cristo, agora. Cada um de nós tem a sua própria vida para viver, e deve vivê-la da melhor forma que puder. São inevitáveis os esforços e os sacrifícios de alguém que segue a Cristo. As coisas deixadas para trás por vezes voltam para nos atormentar. Precisamos de força interna para lutar contra tentações, compulsões e vontades inadequadas. Mas todos esses sacrifícios e esforços, nesse específico sentido pessoal, são vitórias nossas em Cristo Jesus, que nos ajuda nas pelejas. Não conheço ninguém que tenha se entregado a Deus Pai, por Jesus, que não tenha mudado de vida, radicalmente. No começo, geralmente, a pessoa até fica “chata”, eu mesmo me tornei um “chato” no início, como muitos dos meus amigos me dizem hoje. E depois as coisas foram se acomodando, aos poucos, em Jesus. Muito do eu deixei, na época, de ser e de fazer, ficou sumariamente e de uma vez por todas no meu passado. Outras tantas situações, graças a Deus, vi que eram mais atrativos de homens e pura aparência, então, consciente, deixei de me privar.  

Todo ser humano, bom cristão que se preze, deve buscar equilíbrio nesta vida. Comedimento. Deve ponderar tudo, pesar, medir, refletir, com a Bíblia aberta em suas mãos e gravada em seu coração. Coisa muito importante: o meu “equilíbrio” não é igual ao “equilíbrio” de ninguém mais – cada um tem de descobrir o seu, em Jesus. E existem coisas e situações que não convêm, simplesmente. Logo, o Senhor nos dá uma “base” comum, para vivermos e “trabalharmos” as nossas vidas, fundados nela. Como não há ser humano igual ao outro, nós recebemos, entretanto, essa bendita “base”, que é igual para todos, para escrevermos a partir dela, cada qual a sua própria e única história. Há semelhanças em tudo, por óbvio, e as experiências dos outros nos servem de parâmetro, de paradigmas, que nos ensinam. Além dos nossos, também aprendemos com os erros e acertos dos outros, se acaso estivermos atentos para tanto. E atento está aquele que se entrega em vida a Cristo Jesus. Eu fiz isso anos atrás. Não sou tão “intenso” como Paulo, sou mais para o normal de todos nós, povo. Mas, como Paulo, muito do que eu considerava “lucro” em minha vida, tornou-se em “perda”, por causa de Jesus. Muito do que eu admirava ontem, atualmente é abominação para mim. Hoje “enxergo” o mundo pela “ótica” de Jesus. Isso mudou tudo em mim; indescritível e abençoada perspectiva…

© Amor-Perfeito

Frases Etc. (Oswald Chambers)

.

“O que importa se as circunstâncias externas são difíceis?” – Oswald Chambers.

.

Insight (Hospital)

 .

HOSPITAL

.

Paredes de hospitais “já ouviram” preces mais honestas do que igrejas.

Já “viram” despedidas e beijos mais sinceros que em aeroportos.

É no hospital que se vê um homofóbico sendo salvo por um médico “gay”.

A médica “patricinha” salvando a vida de um mendigo.

Na UTI você vê um Judeu cuidando de um racista, antissemita.

Vê um policial e um presidiário na mesma enfermaria, recebendo cuidados.

Vê um rico na fila para receber um transplante hepático de um doador pobre.  

Nessas horas o hospital “toca” na verdadeira ferida das pessoas, universos distintos se cruzam em um propósito divino, somos rebaixados ou elevados àquilo que verdadeiramente somos: seres humanos.

E, nessa comunhão de destinos, nos damos conta de que, sozinhos, somos ninguém, nada, zero.

A verdadeira face das pessoas, na maioria das vezes, só se mostra em sua expressão maior, “sem máscaras”, no momento da dor ou na ameaça da perda, ou, ainda, nesta própria.

Deus nos abençoe, em Jesus.

Autor Desconhecido (Adaptado)

Frases Etc. (C.H. Spurgeon)

.

“Pais e mães são os mais naturais ‘agentes’ de Deus, usados na salvação de seus filhos” – Charles Haddon Spurgeon.

.

Frases Etc. (Dallas Willard)

.

“Observemos que Jesus foi um esforçado estudante da Bíblia, e O seguimos, Ele que é a Palavra Viva, até as profundezas da Palavra escrita” – Dallas Willard.

.

Salmo 29: 11.

* 1mVersículo 1aVerdade *

“O Senhor dá força ao seu povo; o Senhor abençoa o seu povo com paz” – Sl. 29: 11.

Paz… Tanto se fala em paz… Mas a paz não existe. Digo: a paz mundana. O Mundo, a cada dia que passa, fica mais complexo, e não há volta (solução para isso, talvez, só com a volta do Mestre). O aumento exponencial da população mundial é evidente. O colapso do Planeta, também. O Mundo está cada vez “menor”. Os recursos naturais vão-se escasseando. O clima castiga. As pessoas estão cada vez mais “complexas”. Quanto mais se afastam de Deus, pior ficam. Não há mais territórios livres, a serem “conquistados”. Foi-se a época dos pioneiros e desbravadores. Não há para onde ir, ou fugir. Há lugares que sequer se pode ir, aliás. A poluição toma conta da terra, do ar, dos rios e dos mares. A falta de ética, de moral e de caráter toma conta das pessoas. As interações humanas se desgastam, dia após dia, em todas as esferas. Pessoas se odeiam. Países se odeiam. Religiões se odeiam. Há muito ódio “no ar”. Pense, e responda você, leitor/a: pessimismo meu ou realidade nossa?  

E o engraçado é que o ser humano não dura tanto tempo assim, a ponto de ser mau, cruel e egoísta. A sua vida é breve e efêmera. Mesmo assim o individualismo impera entre nós, em maior ou menor grau. E os exageros são nefastos. Creio que tenha sido Santo Agostinho que disse que as pessoas não devem ser usadas, mas, sim, amadas. E as desordens, os malfeitos, os desvios, as maldades e “similares”, certamente não são coisas movidas e/ou construídas pelo amor. Claro que não. Muita gente tem “sangue nas mãos”, apesar da aparência de “bom moço”, “boa moça”, inclusive. Tudo o que uma pessoa faz na vida, traz consequências, boas ou más, segundo o que se fez e se faz. E atinge terceiras pessoas, de algum modo. Ninguém há que possa fazer o que quiser, quando quiser, como quiser, sem que outros sejam “atingidos”. Viver é ter responsabilidade consigo e com o alheio. Mas existe muita vaidade e soberba entre nós…  

O verso fala em paz, mas não é uma paz fundada nos dois parágrafos acima, não. O verso fala em força, mas não se refere à “força do braço do homem”, não. O verso menciona um povo, mas esse povo não é todo mundo, todas as pessoas, não. Não é. Quem se aventura a viver com Deus, muda de atitudes e de pensamento, e não mais “anda com a manada”, não se submete à “consciência coletiva” que move a “turba”. Apesar de inserto na sociedade e no meio em que vive – hoje globalizado, o crente em Jesus tenta se apartar de tudo o que for inconveniente aos interesses do Reino de Deus. O cristão se submete a Deus, apesar de ser obrigado a se submeter, até certo ponto, à ordem dos homens e ao sistema, quais lhe sejam aplicados e definidos. Mas a submissão a Deus é a que lhe importa, e isso o faz estrangeiro, peregrino, “turista”, alguém que se adapta aos costumes da terra, durante sua estada, mas não se confunde com isso, nem se deixa por eles influenciar. Porque seu povo é o Povo de Deus. Não é daqui.

E é ao Povo de Deus que o Senhor dá força, segundo o verso. Essa força nos abençoa com a paz, não qualquer paz, mas a paz de Deus, em Jesus. Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou. Não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorizeJoão 14: 27. O Mundo está “atemorizante”, apesar das palavras de Jesus, para que nós não nos atemorizemos, não? Creio que sim, pois. E nós não temos garantia de nada: todos os dias nós vemos coisas chocantes que, muitas vezes, de tão acostumados que acabamos ficando, essas coisas nos “chocam menos” a cada dia. Perigoso isso, coisa ruim, nada boa. De todo modo, se tentarmos viver pela “força dos nossos braços”, nos daremos mal, e poremos tudo a perder. Tudo se esvai no final das contas, menos aquilo que for construído em Cristo Jesus. Se buscarmos a paz mundana, de outra sorte, além de nos decepcionarmos profundamente, certamente não a encontraremos. A paz, verdadeira paz, só a que o Senhor nos dá, e não existe no Mundo, mas vem do Céu, direto para os nossos corações. Essa paz nos faz viver nesta “bagunça” e entre os maus, com paz interior, por incrível que pareça. Essa paz “abafa” até os nossos problemas pessoais e os inevitáveis “questionamentos existenciais”. É extremamente eficaz e confortante. Essa paz, da qual eu falo, é bênção exclusiva de Deus, e não pode ser obtida por outro meio, senão se tornando integrante do Povo de Deus, que é o único beneficiário da força do Senhor. E aos desse Povo, bem, Ele os abençoa com a Sua paz.

© Amor-Perfeito

Frases Etc. (Oswald Chambers)

.

“Fraqueza total, dependência e impotência diante de situações de vida, darão sempre ocasião para que o Espírito Santo de Deus manifeste Seu poder” – Oswald Chambers.

.

Provérbios 4: 5.

* 1mVersículo 1aVerdade *

“Adquire a sabedoria, adquire a compreensão; não te esqueças das palavras da minha boca, nem delas te apartes” – Pv. 4: 5.

O ser humano vive constantemente em um estado de busca. Busca-se de tudo um pouco, e não há quem não busque. São buscas mundanas e buscas espirituais. Busca de si mesmo, sentido para a vida. Há uma única chance para isso, segundo a Bíblia Sagrada (Hebreus 9: 27). Por definição, pois, viver é buscar. Enquanto há vida, há busca. Muita coisa do que se busca é o mesmo que “correr atrás do vento”, isto é, tem pouca ou nenhuma valia e, mesmo havendo alguma satisfação de momento, é efêmera. Há as utopias, ainda, que distraem e desviam as pessoas daquilo que lhes poderia ser, de fato, útil. E de tudo o que o homem vier a buscar em sua vida, a sabedoria é suprema. Contudo, o verso tem duas partes, e o segundo trecho nos ensina que a sabedoria não é qualquer sabedoria, não.

Realmente, a sabedoria que vale o preço e é eterna, é a sabedoria de Deus. O Senhor nos diz no verso que são as palavras de Sua boca que interessam. Palavras essas que inspiraram divinamente todos os autores da Bíblia Sagrada, inclusive. Não é a toa que chamamos a Bíblia Sagrada de a Palavra de Deus. A Palavra de Deus é tão importante que o Senhor nos diz para jamais nos apartarmos Dela. O Senhor também “sussurra” em nossos ouvidos e corações outras orientações e conselhos, pelo Espírito Santo. Deus Pai usa a Criação e os exemplos dos homens, tanto ímpios como justos, para nos ensinar a sabedoria. O Senhor usa pessoas, às vezes, para “falarem” conosco coisas úteis que devem, no entanto, “ser provadas”. Na multiforme sabedoria de Deus, Ele pode se utilizar de qualquer coisa para nos ensinar a sabedoria.

Porém, sabedoria sem compreensão e entendimento é o mesmo que manusear uma máquina complexa sem ter lido seu manual. Há contextos e conceitos a serem aprendidos na lida com a sabedoria, cujas lacunas podem acarretar sérias consequências, tanto ao pretenso “sábio” como a terceiros. Se alguém pretende ter sabedoria, tem de “comprar” também a compreensão e o entendimento. Melhor: sabedoria se busca com Deus, na mesma esteira a compreensão e o entendimento. Sabedoria sem a compreensão e o entendimento não é sabedoria. Pode ser, por exemplo, inteligência, mas, inteligência não é sabedoria. Inteligência ajuda e muito a pessoa que a possui, mas não é nem nunca será sabedoria. Há pessoas iletradas que são bastante sábias, e existem pessoas muito inteligentes que são completamente ignorantes em termos de sabedoria. Sabedoria é cumulativa, e vem com a experiência de vida, com o tempo passado de relacionamento e de intimidade com Deus. De todo modo, todo mundo tem um pouco de sabedoria dentro de si, inerente, mas se Deus não estiver no negócio, na vida da pessoa, essa sabedoria será pobre e pouco eficaz. 

A melhor sabedoria é, pois, a do Céu, que vem de Deus Pai. A sabedoria por excelência nos é ensinada pelo Espírito Santo de Deus. Essa sabedoria se arraiga em nossa essência, e não “enferruja”, não há quem no-la roube ou a tire de nós. Essa sabedoria não sofre nenhum tipo de desgaste, e é perene. A sabedoria se instala no âmago do crente em Jesus, e traz para ele toda sorte de benefícios e dádivas. Nada se lhe pode comparar, senão a sua própria Fonte, da Qual emana e que lhe é, portanto, maior. Rico nesta vida não é quem tem mais dinheiro e fartura de bens materiais; rico nesta vida é todo aquele que adquire a sabedoria, a compreensão e o entendimento. As vantagens mundanas não levam ninguém para o Céu. “Deste lado da cova”, o quê se tem/se é ou o quê se faz, e os talentos de alguém, só lhe dão proveitos na “carne”. Para alcançar a redenção e a salvação, a conversa é outra: precisamos todos do Senhor, e O encontramos somente por intermédio de Jesus Cristo. E a imersão na sabedoria de Deus, com compreensão e entendimento, é uma das coisas mais fantásticas desse processo. Só um “louco” pode se esquecer das palavras de Deus, da sabedoria, e apartar-se dela. Persiga-a, insistentemente, meu conselho a você, leitor/a. Faça dela o seu pão e a sua comida, o ar que você respira; todo seu empenho nesta vida.

© Amor-Perfeito

Frases Etc. (Rubem Alves)

.

“Quero desaprender para aprender de novo. Raspar as tintas com que me pintaram. Desencaixotar emoções, recuperar sentidos” – Rubem Alves.

.

Frases Etc. (Henry Ward Beecher)

.

“Viver é morte; morrer é vida. Nós não somos o que aparentamos ser. Neste lado da sepultura nós somos exilados, no outro, cidadãos; neste lado, órfãos, no outro, crianças” – Henry Ward Beecher.

.

Efésios 3: 6.

* 1mVersículo 1aVerdade *

“O mistério é que os gentios são co-herdeiros e membros do mesmo corpo e co-participantes da promessa em Cristo Jesus pelo evangelho” – Ef. 3: 6.

Deixei o verso acima transcrito de acordo com a versão Bíblica em que foi impresso, ou seja, antes da Reforma Ortográfica. Achei melhor deixar como li. De todo modo, isso não altera em nada seu conteúdo. Inicialmente, como dito noutra ocasião, os Judeus eram os herdeiros de Deus, o Povo Eleito. Contudo, aprouve a Deus enviar Seu Filho amado para redenção e salvação do Mundo. Veio Jesus, pois, para salvar os Gentios, que significa dizer: todos que não são Judeus. Mas, claro, incluindo também os Judeus. Assim, o Povo Eleito de Deus se transformou no Corpo de Cristo. Acho correto considerar que o Povo Eleito de Deus sempre será o Povo Judeu, porém, o Senhor estendeu Sua Graça e Misericórdia a todos os seres humanos. Todos aqueles que creem que Jesus é o Messias de Deus, portanto, serão salvos. São todos coerdeiros do Reino de Deus, em Cristo Jesus.

Esse “mistério” é uma nova ordem imposta desde o fim do Ministério de Jesus e de Sua Paixão até a Ressurreição, e elevação de volta ao Pai. O Evangelho foi escrito a partir do Senhor Jesus. O Novo Testamento inteiro tem como principal figura o Senhor Jesus. E o verso nos diz que aqueles que amam a Jesus são coparticipantes da Promessa, contida no Novo Testamento, isto é, nos Evangelhos, nas Cartas de Paulo, de Mateus ao Apocalipse, em Jesus. Já não há mais distinção entre Judeus e Gentios, mas há distinção entre justos e ímpios. Justos são os que confiaram as suas vidas e se entregaram a Deus Pai, por Jesus (“justos”, de justificados); ímpios: grupo composto por todo o resto, por exclusão. Parece dura a comparação, mas é a verdade. Pela Bíblia Sagrada, somente os justos estão na condição de remidos (justificados) e salvos, porém, eu pouco sei sobre o Juízo de Deus, como se dará, e seria uma ousadia de minha parte tentar adivinhar ou dizer o que acho, simplesmente, apesar de que eu não acho nada, para ser sincero, apenas confio em Deus, e confio a minha vida a Deus, em Jesus.

Logo, depois da vinda de Jesus, há Judeus e Gentios que são ímpios, e há Judeus e Gentios que são justos. Já não importa tanto ser Judeu ou Gentio, apesar do orgulho de alguns, mas, de outra sorte, o que importa é ser contado como membro do Corpo de Cristo, a Congregação do Senhor, o Povo de Deus nos nossos dias, formado depois de Jesus. Peregrinos e estrangeiros somos cá, os de Jesus, nestas bandas. Sabemos, pois, que Deus é Pai e Deus é Filho, além do Espírito Santo. O Primogênito de Deus é Jesus, que foi adotado por José quando aqui esteve como homem, tendo em vista a Concepção Divina de Maria, sua mulher. É isso mesmo: Jesus foi adotado. E isso é uma maravilhosa notícia para nós todos, Judeus e Gentios, pois o Senhor nos adota assim que a opção por Jesus é feita por cada um de nós. Somos todos filhos por adoção, sendo o Primogênito de todos nós o Senhor Jesus, Filho. E podemos chamar o Senhor de Deus Pai. Deus, Pai. Filhos de Deus, em Jesus. Jesus é o primeiro Filho, a/o “Cabeça”, e os demais filhos de Deus formam o Corpo de Cristo. Coerdeiros e coparticipantes. Bênção.

Bênção tal que, se o verso fala em Promessa de Cristo Jesus, na verdade, para deleite nosso e bem-aventurança, são várias as Promessas de Deus para nós. Ser filho de Deus, sujeito a Jesus, adotado por Deus, portador do Espírito Santo, é algo tão maravilhoso, que fica difícil descrever esse bendito estado. Mas uma coisa é certa: não há condição humana e espiritual melhor do que essa. O Senhor Jesus nos faz mudar de vida. Por incrível que pareça, diante da dureza das pessoas e do sistema mundano, há uma vida melhor a ser vivida, ainda na “carne”. Quando nos entregamos a Deus, por Jesus, Ele nos acolhe de modo sobrenatural. O objetivo máximo de Deus Pai é atingido a cada vez que alguém a Ele se entrega, por Jesus. Dizem que há festa no Céu, quando isso acontece. Festa no Céu, já imaginou? E a mesa já está posta para nós (crentes em Jesus), para quando lá chegarmos, e será mais outra festa no Céu, sem fim, eterna: Salmo 23: 5 e 6.

© Amor-Perfeito

Frases Etc. (Dallas Willard)

.

“É importante não adorarmos (a Deus) sem estudo, pois a adoração ignorante é de valor limitado e pode ser muito perigosa. Corremos o risco de desenvolver ‘zelo por Deus, porém, não com entendimento (Romanos 10: 1-2), causando grandes males a nós mesmo e aos outros” – Dallas Willard.

.

Salmo 25: 12.

* 1mVersículo 1aVerdade *

“Qual é o homem que teme ao Senhor? Este lhe ensinará o caminho que deve escolher” – Sl. 25: 12.

Se alguém diz, porventura, que Deus guia os seus passos, esse alguém deve necessariamente temer ao Senhor. Condição indispensável para que a “equação” feche. Temor, como já vimos, é um misto de medo e respeito, uma coisa não exclui a outra. Deus Pai é Soberano, e é o Todo-Poderoso, Altíssimo Deus, logo, como não temê-Lo? De forma completa, coloquemos assim? É justo, pois, temer ao Senhor, não? Por evidência, como temos o costume de chamá-Lo de Pai, Pai Eterno, Deus Pai, como Jesus fez inúmeras vezes, o que realmente sentimos com mais frequência é um temor reverencial pelo Senhor, nosso Pai. Um respeito tão denso e profundo, que “se assemelha” ao respeito que devemos aos nossos pais, só que de modo muito mais forte e vívido, incomparável em intensidade e importância. Deus é Deus. Jesus é Deus. E o Espírito Santo. Graças a Deus por estarmos em Suas mãos.  

No temor do Senhor andamos seguros, e não há outra forma ou prática terrena que substitua isso. Sendo essa a nossa realidade, o Senhor nos dirige os passos, mesmo com a coexistência do Livre Arbítrio, que “nos atrapalha” bastante, vez por outra, aliás. Como testemunho meu, eu fui à faculdade com um objetivo específico em mente, porém, Deus não permitiu que esse desígnio se cumprisse. No entanto, na faculdade eu apurei minha capacidade de escrever, cresci como pessoa, e se hoje eu estivesse em outra condição, que não a que eu me encontro, talvez este Blog não pudesse ter sido sequer iniciado. E o mais “engraçado” é que escrever sobre o Senhor, veiculando os textos pelo Blog, me coloca numa posição muito parecida e melhor, do que se eu tivesse tido meu intento inicial concretizado. O Senhor me ensinou um caminho maravilhoso, e eu sou (estou) muito feliz assim, mais realizado do que jamais poderia imaginar. A melhor coisa que existe na vida é ajudar as pessoas e, creio eu, este singelo dom que Deus me deu deve ajudar muita gente. Assim seja, acredito nisso, é o meu sincero desejo, aleluia!

As minhas maiores alegrias ocorrem, pois, quando alguém me diz que, pelos “meus” escritos, coisas boas lhe aconteceram. Minha intenção aqui é pregar o Evangelho puro e simples, sem esperar nada em troca, senão o conforto espiritual e o crescimento pessoal daqueles que se aventuram a “me ler”. Doo meu tempo e meus recursos nessa empreitada. Tenho de ler bastante, e estudar as Escrituras, o que faço sozinho, diga-se de passagem. Sozinho não: eu e Deus, pelo Espírito Santo. O sucesso da minha vida está nisso. Fico feliz em ganhar algum dinheiro com meu trabalho secular, em ajudar o próximo, em viajar (quando posso), em me divertir, se alguém me elogia por qualquer coisa, pelos meus queridos à minha volta, enfim, pela vida que Deus me deu. Mas nada se compara à satisfação que sinto ao concluir um texto para o Senhor, postá-lo, publicá-lo, e “atingir” muitas pessoas com ele. Isso é o êxtase para mim, podem acreditar. Já não espero muito da vida, senão ter aptidão, disposição e fé para continuar escrevendo e escrevendo, o máximo possível, o tanto quanto puder. Essa bendita atividade me completa de tal forma, que eu jamais a teria idealizado para mim, por mim mesmo. Pelo verso, o Senhor me ensinou o caminho que eu devia escolher: o caminho que eu havia de trilhar. E nele estou (Graças a Deus!).

Carreira, bens materiais, confortos, luxos, juventude, saúde, “entendimentos” e “desentendimentos”, crises, alegrias, tristezas, dores e amores, prazeres, e o que mais se possa pensar: tudo é efêmero, tudo passa. Nada substitui a Deus. Nada preenche o vazio do ser humano, tal como faz o Senhor Deus. Qualquer pessoa tem valor, desde que se jogue nos braços Dele, e se atire aos pés de Jesus. A partir disso passa a ser protagonista de coisas boas, sobretudo por conta do relacionamento diário e contínuo que trava com Deus, Pai. E tudo começa com o temor que todos nós devemos ao Senhor. Qual é, pois, a sua ideia de sucesso? Deus Pai está incluído nos seus planos? Pense bem, reflita, reveja tudo com cuidado, porque disso depende seu sucesso na vida: o temor a Deus e a orientação Dele. Você pode “ser”, “ter”, “fazer” e “acontecer”, mas será isso sucesso? A resposta é sua, a reflexão também. O que posso dizer a todos com convicção é que o sucesso e a satisfação de um ser humano só podem vir de uma única e exclusiva fonte: Deus, Pai. O que não vier Dele, passa. E o que vem Dele é… Eterno! O segredo do Senhor é para os que o temem; ele lhes fará saber a sua aliançaSalmo 25: 14.

© Amor-Perfeito

Frases Etc. (Ricardo Gondim)

.

“Toda a certeza cega nossos olhos para qualquer outra possibilidade que fica além da fronteira demarcada pela própria certeza” – Ricardo Gondim.

.

Frases Etc. (Rubem Alves)

.

“As gaiolas são o lugar onde as certezas moram” – Rubem Alves.

.

Gálatas 5: 2.

* 1mVersículo 1aVerdade *

“Escutai! Eu, Paulo, vos digo que, se vos deixardes circuncidar, Cristo de nada vos aproveitará” – Gl. 5: 2.

Essa era uma discussão doutrinária inútil, apesar de relevante para alguns, que Paulo enfrentava em sua época de pregador. A altercação tinha origem na necessidade ou não de se fazer a circuncisão nos Gentios. Os Judeus levavam em seus corpos a marca da circuncisão, como espécie de “selo”, de que eles pertenciam, de fato, à comunidade de Israel, o Povo Eleito de Deus. Tanto assim que chamar alguém de “incircunciso” era a ofensa máxima de Judeu para Judeu, ou referência para aqueles que não faziam parte das doze tribos. “Incircuncisos” era o termo usual pelo qual os Judeus se referiam aos Gentios, com uma “pitada” de desprezo, geralmente. Com a vinda de Jesus, porém, houve a “fusão” dos Judeus e dos Gentios em um só povo: o Povo de Deus, ainda que de minha parte, eu sempre terei muito respeito e carinho pelos Judeus, porque eles são, desde o início, o Povo Eleito de Deus. Deles, dos Judeus, viria a salvação dos homens, nos ensina a Bíblia Sagrada (João 4: 22). E a salvação veio, de fato, pelo Senhor Jesus, homem Judeu, circuncidado ao oitavo dia (Lucas 2: 21), da Tribo de Judá (José) e da Tribo de Levi (Maria). Contudo, depois da vinda do Mestre, talvez, mais propriamente, depois de cumprido o Seu Ministério, a circuncisão mudou de sentido, teve seu significado alterado radicalmente.

Depois de Jesus, pois, e isso inclui os nossos dias, a verdadeira circuncisão não é mais uma marca só dos homens Judeus, não, mas também se estende a todos os homens que se entregam a Jesus, e às mulheres, na mesma condição. E a circuncisão verdadeira, depois de Jesus, é a circuncisão do coração, a legítima e genuína conversão de alguém, uma “marca” que só o Senhor “” (arrisco expor uma síntese da disposição interna, do “estado de espírito” reto, do crente em Jesus: Salmo 15). O que nos leva a crer que o incircunciso é, a partir de Jesus, aquele ou aquela que não reconhecem a Jesus como seu Senhor e Salvador. E mais: incircunciso é aquele ou aquela que não fazem parte do Povo de Deus, unificado por Jesus. A diferenciação não é mais feita pela “operação de fimose”, entre aspas por respeito às questões culturais e religiosas, por ato concreto nos membros masculinos da congregação Judia, ou entre Judeus e Gentios, puramente. Todos estão sujeitos à “circuncisão” (do coração), que é uma “revolução” no “ser”, uma mudança drástica no íntimo da pessoa (homem e mulher), que a leva a Cristo, e Cristo a leva/nos leva a Deus (Filipenses 3: 3). É uma realidade maravilhosa, uma nova ordem das coisas de Deus, e Paulo dizia aos então Gentios que não seria a circuncisão judaica que os levaria a Jesus, mas a disposição e a sinceridade de seus corações: Aquele que anda em sinceridade, e pratica a justiça, e do coração fala a verdadeSalmo 15: 2. Ou seja: a metanóia, que, em síntese, é uma transformação espiritual extrema, uma guinada profunda no modo de pensar, de ver as coisas e até de caráter.

Não se fala em aparência (retirada do prepúcio), pois, mas de essência (coração transformado). Não se fala mais em “Clube do Bolinha”, visto que foi afastada a distinção de gênero. Não se fala mais de um só povo salvo e separado – os Judeus – mas de integrantes de todos os povos, unidos em Jesus em um só e único povo, santificado: o Povo de Deus. E Paulo diz que “… se vos deixardes circuncidar, Cristo de nada vos aproveitará”Gálatas 5: 2. O Apóstolo dos Gentios pode estar querendo dizer que a circuncisão judaica lhes seria um ato inócuo, sem eficácia alguma; ou ele poderia estar-lhes dizendo, numa interpretação mais radical, que isso os afastaria de Jesus. Talvez porque o circuncidado pensasse em seu íntimo que só esse ato já lhe seria suficiente para alcançar a salvação e a redenção, e isso teria o efeito negativo de deixar as pessoas indolentes, descompromissadas e sem responsabilidades. Não é, pois, um ato externo, um sacrifício visível e palpável, que Deus espera de nós: Ele nos quer por inteiros, Ele quer os nossos corações convertidos a Ele, sem reservas, incluindo as mentais.

E nesse passo, muitos cristãos piedosos e sérios têm feito coisas, por homens e líderes, e por eles mesmos, que são equivalentes ao ato de se deixar circuncidar. Coisas que nada aproveitam a Cristo Jesus. Muitas práticas e doutrinas se incluem nisso. E eu sequer falo de heresias, não, falo tão somente de atividades lícitas, mas destituídas de “espírito”. Estado de espírito. Sinceridade. Coração. Metanóia. Faço o que faço para os homens verem a “marca” em mim, para me autojustificar, ou faço o que faço para o Senhor, pura e simplesmente? Eis aqui a questão central da coisa toda. A quem pretendo agradar com o “deixar-se circuncidar”: a Deus ou aos homens? Se o Altar de Deus, depois de Cristo Jesus, é o coração humano (e é), o sangue vertido pelas veias, que por elas circula e passa pelo Altar (coração), só tem vida em si mesmo se Jesus for o Mestre. Total presença de espírito interna, disposição certa e sinceridade, e nenhuma aparência. Nada. Nada de “máscaras”. Nada de subterfúgios. Nada de obras. Nada exterior. “Marca” indelével, espiritual, sobrenatural, no coração, o centro vital do “ser”. É um “sacrifício continuo” de sangue (ora, sangue é vida), cuja circulação é ininterrupta e pulsante, e passa sem cessar pelo coração do crente, como deve ser a consciência e o âmago do cristão perante Deus Pai, em Jesus, todo o tempo.

© Amor-Perfeito

Frases Etc. (Dallas Willard)

.

“O Salmo 23 é um resumo sublime da vida no Reino de Deus” – Dallas Willard.

.

Salmo 19: 2.

* 1mVersículo 1aVerdade *

“Um dia faz declaração a outro dia, e uma noite mostra sabedoria a outra noite” – Sl. 19: 2.

Se não fosse assim, acho eu, nós estaríamos sumariamente perdidos. É muito bom que o tempo se renova, de modo que todos os nossos momentos, bons e ruins, passam. A Bíblia Sagrada nos ensina que as misericórdias do Senhor se renovam a cada manhã (Lamentações 3: 23). O fato de nada durar para sempre nesta vida nos protege de sermos consumidos de dores e de indignações. Os momentos felizes se tornam boas memórias; os momentos ruins são deixados para trás, a fim de que nós possamos tomar fôlego para o que vier a seguir. Nessa sucessão de dias e de noites, de noites e de dias, nós vamos crescendo em estatura perante Deus Pai. A cada pequeno período desses, que nada significam diante da Eternidade, o Senhor nos brinda com diminutas (mas, cumulativas e abençoadas) porções de sabedoria. Vamos todos, aos poucos, melhorando como seres humanos, ficando mais perto da perfeita vontade de Deus.

Eu gosto muito da poesia Bíblica e do lirismo, muitas vezes, com o qual os versos foram escritos, divinamente inspirados (2 Timóteo 3: 16). Creio que seja o caso do verso acima transcrito, que se mostra um forte exemplo dessa afirmação. Há tantos ensinamentos nele e tanta sabedoria, que é um risco e tanto tentar escrever alguma coisa sobre ele. Mas é possível discernir a importância de estarmos presos ao tempo, por certo tempo. O Senhor, claro, não se sujeita ao tempo (2 Pedro 3: 8), e nem nós, de certa forma: isso só acontece enquanto estivermos na “carne”, “habitando” um corpo corruptível. Depois, segundo a promessa de Deus, o que era corruptível se revestirá do incorruptível (1 Coríntios 15: 51 a 54), nos livrando do aguilhão da morte (1 Coríntios 15: 55 a 57). Provavelmente, pois, com a imortalidade, nós também deixaremos de ser escravos do tempo, e viveremos como vive o nosso Senhor. Vitoriosos pela Eternidade seremos, em Cristo Jesus.

Um dia faz declaração de outro dia, até o momento de estarmos com Jesus. As noites entre os dias nos dão tempo de refletir e ponderar sobre a vida, e a vida que estivermos levando. Há descanso e alívio entre os dias. Tudo perfeito e preparado pelo Senhor para nós. Há quem diga que “o mundo dá voltas”, e esse ditado popular bem pode derivar do verso em apreço. A noite e o dia nos colocam em um ciclo, e se pararmos para pensar, todas as coisas da vida estão sujeitas a ciclos, em  maior ou menor escala. O Capítulo 3, praticamente inteiro, do Livro de Eclesiastes nos dá boa dimensão disso. A vida é, pois, cíclica. Isso nos leva a crer que precisamos pensar bem no que fazemos por aqui, nos “frutos” que damos, porque se exemplificarmos a coisa pela perspectiva da semente plantada, quem planta uvas não colhe figos, nem se colhe figos e uvas dos abrolhos e dos espinheiros (Mateus 7: 16). E o Senhor está atento aos escarnecedores, ou seja, o que o homem plantar, o seu correspondente ele colherá (Gálatas 6: 7).

O tempo passa, e o “tempo voa”, e nós vamos vivendo e passando pelo tempo. Nós devemos aproveitar a brevidade da vida para fazer o bem, para fazer amigos, para estar com pessoas que gostamos, para sermos todos piedosos e fraternos. Todas as oportunidades que o Senhor nos der, em qualquer área de nossas vidas, não podem ser desperdiçadas. Nós podemos e até precisamos viver intensamente, mas que seja no Senhor. O Mundo foi criado por Deus. Logo, é crível que nós devamos desfrutar e nos deleitar com suas belezas e moderados prazeres, dentro da lógica do Reino de Deus. De dia em dia, pois, com a bênção de Deus, Caminhamos em direção a Ele. A nossa separação de entes queridos é triste, quase sempre, mas é o caminho de todo ser humano, o mesmo que trilhamos agora, neste exato momento, se acaso você estiver lendo este texto, porque está vivo. A “noite” do verso não são trevas, mas momentos de descanso e de reflexão. Na “noite” do verso o Senhor nos visita, e cuida de todos nós: Ele nos renova, fala conosco, sussurra em nossos ouvidos, interfere em nossos sonhos. Deus Pai está sempre conosco, de dia e de noite, todo o tempo, no ciclo todo. E Ele nos espera fora do tempo, como prometido está. 

© Amor-Perfeito

Frases Etc. (Wayne Dyer)

.

“Felicidade não é algo que você consegue na vida. É algo que você acrescenta nela” – Wayne Dyer.

.

Frases Etc. (Regina Brett)

.

“Deus ama você pelo que Ele é, e não por conta de qualquer coisa que você tenha feito ou deixado de fazer” – Regina Brett.

.

Salmo 17: 15.

* 1mVersículo 1aVerdade *

“Quanto a mim, em retidão contemplarei a tua face; quando acordar, eu me satisfarei com a tua semelhança” – Sl. 17: 15.

Bom é andar diante de Deus em retidão. A retidão não se constrói, apenas, com atos materiais, não. A retidão envolve ações e intenções, principalmente intenções. O coração alinhado com o Senhor se comporta com base e fundamento na ética, na sinceridade e na honestidade. A aparência nada vale diante de Deus, que bem sabe quem tem ou não retidão. Nós todos temos responsabilidade nesta vida, de não lesar ninguém, seja de que modo for. Precisamos nos conduzir com respeito e honra na lida da vida, pois, tudo o que fizermos na prática, de acordo com o que somos, acarretará consequências para terceiras pessoas. Quem é desprovido de retidão é indigno, mau, frio e cruel, desumano até, mesmo parecendo ser uma pessoa boa e honrada. Porque essa pessoa não se preocupa com seus semelhantes. Eu não queria começar este texto assim, de forma agressiva e contundente, porque é linda a poesia do verso.

Nessa toada eu peço desculpas a quem “me lê”, seja com frequência ou não, mas eu tenho em mim uma forte intolerância a injustiças, e uma dificuldade “doentia” de lidar com elas. Sofro muito com isso. Bem hoje, veio uma. Eu gostaria de ter começado o texto de forma diferente, Deus sabe. Nós, os cristãos, devemos e temos a obrigação de agir com retidão, diante de Deus e dos homens, sempre. Qualquer “agir”. Qualquer “disposição interna”. Podemos cometer erros até, sem problemas, mas que seja com retidão. Retos são os benditos de Deus Pai. Integridade acima de tudo, considerando-se o “ser” humano. Bondade, benignidade, seriedade, piedade, enfim, a soma de todas as boas virtudes, com o significado de “inteireza”, “completude”. Retidão. Há pessoas neste Mundo que não tem o mínimo respeito pelos demais, por nada nem ninguém, são egoístas patológicos, egocentristas irrecuperáveis, e prejudicam muita gente. Juízo de Deus.

Com meu desabafo posto, e minhas escusas dadas, passo a comentar a beleza que vi no verso, quando o separei para tema de um texto. Dois parágrafos para “retidão”, este e o último para a poesia. Muito se diz sobre a morte. Dizem que não somos daqui. Que somos seres espirituais, vivendo aprisionados na “carne”, por certo tempo. Dizem que ao dormir, morremos; ao acordar, renascemos. Bonito. Poesia. Dizem que a morte é certa, a única coisa certa na vida. Dizem que para morrer, basta a alguém estar vivo. Até o estado de coma, dizem, é uma espécie de morte, na qual o espírito ainda permanece preso ao corpo. Será? Não sei. Dizem que desde o nascimento nós começamos a morrer, dia após dia, até o derradeiro dia. Ou seja, todo dia nós “morremos” um pouco, ou temos menos um dia para desfrute, parcela de vida exaurida, tempo presente que se foi. Tão logo um bebê nasce, pois, e ele já está a caminho de sua morte. São lúgubres estas palavras todas? Não, você verá que não. O Senhor Jesus ressuscitou algumas pessoas durante o Seu Ministério. Talvez Lázaro seja o mais “famoso” dentre elas. Outros profetas, discípulos e apóstolos também foram protagonistas deste milagre, no decorrer da História Bíblica. Claro que pelo Poder de Deus, não por eles, salvo Jesus, que é Deus. Contudo, onde estão hoje essas pessoas? Entre nós? Não, morreram todas. Estão com o Pai, certamente.

Logo, a mim parece que a vida, com todas as suas agruras e mazelas, e tantas pessoas destituídas de retidão, não passa de uma ilusão. Uma ilusão “bem real”, em verdade. Um sonho por demais “palpável”, de fato. E, talvez, um “pesadelo” para muitos e muitas. Triste. Mas também há felicidade. E alegria. A alegria do Senhor é a nossa força. Há trabalho e esforço por estas bandas, mas é assim que se alcança o Reino de Deus, ora. E que bom termos a ciência de que não somos daqui, pela esperança das maravilhas que compõem a realidade que nos espera (1 Coríntios 2: 9). Querem ver? Pela ótica de Davi, o Salmista? Davi disse que ao “acordar” (depois de sua morte), se satisfaria em ver que foi criado à semelhança de Deus Pai (Gênesis 1: 26 e 27). Temos de ter boa noção disso: fomos feitos à imagem e semelhante do Senhor! Aleluia! Quando “acordarmos” desta vida utópica e passageira, desse “sonho” efêmero e árduo, “trabalhoso” em muitos sentidos, nós conheceremos a verdadeira realidade, eterna, ao nosso redor. Seremos parte dela. E veremos o Senhor, o Mestre e os anjos, como Eles nos veem (1 Coríntios 13: 12), e a Jerusalém Celestial – o Reino da Pura Luz. Que grata e formidável surpresa Davi nos antecipa, não? Mesmo assim, tenho por mim forte impressão e crença de que todos nós, crentes em Jesus, filhos de Deus, ficaremos estupefatos e “sem fala” nessa bendita hora, diante de tanta e tamanha Glória. Guie-nos até Ti, Senhor, em Jesus, amém.

© Amor-Perfeito

Frases Etc. (Terry Goodkind)

.

“Se a estrada é fácil, você, provavelmente, está indo pelo caminho errado” – Terry Goodkind.

.

2 Coríntios 4: 7.

* 1mVersículo 1aVerdade *

“Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus, e não de nós” – 2 Co. 4: 7.

Verdade seja dita: o fato de qualquer pessoa ter Deus em seu coração torna-a alguém especial. A Bíblia Sagrada diferencia as pessoas em ímpias e justas. E justas são aquelas que têm Deus em seus corações. A questão é que todos nós, ímpios e justos, sem exceções, somos “vasos de barro”, isto é, finitos, frágeis, fracos. Os poderosos deste Mundo são fracos? Todos são fracos, incluindo eles. O tempo passa, e consome a todos. Ter Deus no coração não altera a nossa natureza humana, porém, uma revolução consciente e inconsciente se desencadeia na esfera espiritual do ser. A excelência do poder é, contudo, de Deus. Logo, se alguém tem algum poder, por maior que seja seu domínio e alcance, isto nada é perante o Senhor. E os justos, “impregnados” do Poder de Deus, não podem jamais se esquecer de serem humildes, sempre e sempre. 

Ninguém tem qualquer poder por si só. O poder vem ao ser humano por alguma razão ou causa. Quem abusa do poder, portanto, se dá mal. Quem exerce algum tipo de poder, não tem paz. Salvo aqueles que o fazem em nome de Jesus. Porque estes se entregam a Deus, e fazem valer a metáfora do “vaso e do Oleiro”. Vaso não tem vontade, é um objeto inanimado. Mesmo assim, a Palavra de Deus nos compara a vasos de barro, comparação essa bastante pertinente, aliás, visto que fomos feitos do barro. E na pequena parábola Ele nos confere vida e vontade. O vaso de barro só pode ter esperança, pois, quando se entrega ao Oleiro, de forma irrestrita, a fim de que Ele o molde. O Oleiro não só dá forma ao vaso, mas o “molda”, isto é, ensina-o a ser melhor, instrui-lhe com sabedoria, cuida dele e o guarda do mal. E o vaso leva uma vida inteira para “ser moldado”. Todo santo dia o Oleiro faz algo de concreto a fim de “dar forma ao vaso”. E o conteúdo do vaso, o Espírito, o conduz pela vida.  

Ter o Espírito Santo dentro do vaso é o ápice do poder de um ser humano, ainda que muita gente despreze isso, e prefira os poderes mundanos. Bem, o Espírito é poder eterno, qualquer outra coisa é efêmera, passageira, temporária. Não há quem, em sã consciência, invista em algo que lhe dê menos retorno, se existir um investimento melhor. Porém, neste caso, talvez a maioria das pessoas esteja investindo seus recursos, tempo e vida de forma equivocada. Não é possível, aqui, agir em duplicidade. Ou o vaso de barro se entrega ao Oleiro, ou se afasta Dele. É interessante o modo como a vida se desenrola quando estamos nas mãos do Oleiro. Todas as coisas tomam outro significado. Nosso rumo muda. Nossos pensamentos se estruturam de outra forma. Vemos coisas que antes não víamos. Percebemos situações que anteriormente não nos eram perceptíveis. Sofremos a “dor do Mundo”, como Jesus (numa escala menor, claro, senão nos seria insuportável – nos mataria). A dor do outro, do próximo, dói em nós. E isso nos faz melhores, mais do que nos moldar, nos lapida como se fôssemos “gemas preciosas”, e somos, mas esta é outra metáfora.

Quem tem Deus no coração não quer louvores para si mesmo. Deve ser humilde. Precisa estar disposto a sempre deixar o Senhor passar. O lugar é de Deus, nós saímos e Ele o ocupa. Jesus deve ser visto (João 3: 30). O Senhor deve ser visto (João 3: 30). Não nós (João 3: 30). Somos instrumentos nas mãos de Deus, como o vaso de barro nas mãos do Oleiro. O poder não é nosso, somos nós apenas os mordomos, os servos. Cuidamos dos interesses do Pai. O que quer que sejamos nesta vida, pouco ou mesmo nada nos importa, senão glorificarmos a Deus Pai e ao Senhor Jesus. O Espírito dentro do vaso deve ser motivo de alegria, jamais de empáfia ou soberba. Nada fazemos se acaso o Senhor não for conosco. “Tudo posso Naquele que me fortalece”, nos ensina a bela poesia Bíblica. Mas sempre seremos vasos de barro, finitos, frágeis, fracos, que só têm algum valor intrínseco se estiverem nas benditas mãos do Oleiro. De outra sorte, o vaso que rejeita o toque e o cuidado do Oleiro, quando chegar a sua hora, esse vaso se despedaçará, e se espatifará no caminho, e nada há de sobrar, dele nada restará. Choro e ranger de dentes, diz Jesus, ao que se furta a viver e morar na roda do Oleiro.

© Amor-Perfeito

Frases Etc. (Philip Yancey)

.

“O relacionamento com Deus não promete o livramento sobrenatural das dificuldades, mas o uso sobrenatural delas” – Philip Yancey.

.

Frases Etc. (C.H. Spurgeon)

.

“Muitas pessoas devem a grandeza de suas vidas aos problemas e obstáculos que tiveram de vencer” – Charles Haddon Spurgeon.

.

Frases Etc. (Dallas Willard)

.

“A ira e o desprezo pelos outros só são eliminados pela visão e pela vivência de que Deus está acima de tudo. Pois isso me garante que tudo está bem comigo, e que os outros são tesouros de Deus. Já não preciso mais me entregar à violência do xingamento, pois não necessito ‘rebaixar os outros’ para que eu mesmo ‘me eleve’. Não preciso mais me assegurar na vida, pois estou seguro” – Dallas Willard.

 

Frases Etc. (George Whitefield)

.

“Jesus foi Deus e homem em uma só pessoa, para que, assim, Deus e os homens pudessem, talvez, serem felizes juntos de novo” – George Whitefield.

.

Insight (Amor de Peixe)

 .

AMOR DE PEIXE

.

Amor é uma palavra que na nossa cultura quase perdeu o sentido.

Há uma história muito interessante, sobre o Rabino de Kotzk.

Ele passou por um jovem, que estava claramente se deliciando com um prato de peixe que comia.

Então, ele disse ao jovem:

“Por que você está comendo esse peixe?”

O jovem respondeu:

“Porque eu amo peixe!”

Ao que o Rabino lhe retrucou:

“Ah, você ama o peixe e por isso você o tirou da água, o matou e o ferveu? Não me diga que ama o peixe. Você ama a você mesmo. E porque o peixe é gostoso, em sua opinião, você o tirou da água, o matou e o ferveu”.

Muito do que se chama de amor é amor de peixe.

E então… Um casal de Jovens se apaixona, os jovens se apaixonam, o que isso significa?

Isso significa que ele viu nessa mulher, alguém que ele creu que poderia prover todas as suas necessidades emocionais e físicas, e ela sentiu que esse homem poderia lhe fazer o mesmo.

Isso foi amor. Mas ambos estão olhando para as próprias necessidades. Não é amor um pelo outro. A outra pessoa se torna um veículo para a minha satisfação.

Muito do que chamam de amor é amor de peixe.

E um amor externo não é sobre o que vou receber, mas sobre o que eu vou dar.

Havia um professor de ética, o Rabino Dessler, que disse que as pessoas cometem um erro grave ao pensar que você dá àqueles que você ama.

Mas a verdadeira resposta é: você ama aqueles a quem você dá.

E seu argumento é, que se eu dou algo a você, eu me investi em você.

E já que o amor-próprio é algo natural, todos amam a si mesmos, agora que parte de mim está em você, há uma parte de mim em você que eu amo.

Então, o amor verdadeiro é um amor que , não que recebe.

(transcrito de um vídeo)

.

Ensino de um Rabino, cujo nome eu não sei…

.

Frases Etc. (Rubem Alves)

.

“Oração de uma criança: Deus, que os maus não sejam tão maus e que os bons não sejam tão chatos. Amém– Rubem Alves.

.

Frases Etc. (Madre Teresa de Calcutá)

.

“Nunca viaje mais rápido do que seu anjo da guarda pode voar” – Madre Teresa de Calcutá.

.

Provérbios 21: 29.

* 1mVersículo 1aVerdade *

“O homem ímpio endurece o seu rosto, mas o reto considera o seu caminho” – Pv. 21: 29.

Frase curta, duas figuras de linguagem, e muito sobre o quê pensar. Talvez, a primeira reflexão que dela se possa extrair, seja a respeito do ímpio e do justo: o primeiro não conhece a Deus, não faz questão de conhecê-Lo e despreza os que O conhecem (Salmo 10); o segundo se entrega a Deus, conhece o Senhor e tem consciência das implicações decorrentes dos atos e condutas em relação a deixá-Lo de lado (Provérbios 23: 23). A Bíblia nos ensina que o justo é prudente e o ímpio se perde em sua própria “sabedoria”. Por isso que o ímpio “endurece o seu rosto”, porque ele confia nele mesmo e está “imerso” no sistema mundano como se fosse eterno, tanto um como o outro. Não se dá conta de que no final da vida todo ser humano deve prestar contas ao Criador, Dia do Juízo. Vive sua vida de acordo com suas vontades, necessidades e interesses particulares, e, assim, está longe de ser cristão, ou filho de Deus. Não mesmo. Há muitos limites nesta vida, e muitas coisas inconvenientes, que devemos evitar.

Satisfazer “o próprio ventre”, sempre, não é coisa boa, não é algo recomendado. Procurar tão somente ter prazer na vida é ilusão pura, pois a vida é recheada de surpresas boas, é verdade, mas existem igualmente as desagradáveis. Geralmente aqueles que buscam viver para o prazer morrem cedo, “abreviam” suas vidas em troca de “intensidades”, por conta de “apetites” imoderados (Provérbios 23: 20 e 21). Exemplifico com aqueles que usam drogas em busca de sensações variadas, sensoriais, e se lançam ao sexo de forma desenfreada, sensuais. Valem os momentos intensos, e nada mais. Caso de muitos artistas, aliás. Esses não se respeitam, e não respeitam as outras pessoas. Ou, então, têm aqueles que agem com cobiça e ganância, e fazem qualquer coisa para conseguir dinheiro: roubam, matam, traficam, enganam, e por aí vai. Tem gente, ainda, que exagera nas coisas cotidianas e corriqueiras, como aquele cidadão que trabalha demais, ou porque é viciado nisso (nenhum tipo de vício é bom…), ou porque nunca está satisfeito com o que já tem. Segundo a Bíblia Sagrada, estes são aqueles que “correm atrás do vento”, materialistas, vidas sem sentido (Provérbios 23: 4 e 5). Claro que existem, também, como situações extremas, as enfermidades e as “fugas”, que podem levar aos excessos, de algum modo. Mas óbvio é que o ideal é ter equilíbrio em tudo na vida, e saber respeitar os próprios limites (e os dos outros, evidentemente), porque ninguém é igual em essência, ou seja, o que me tenta não tenta você, e vice-versa, de forma ampla.

O ímpio não considera o seu caminho porque ele “se lança na vida” de acordo o senso comum, isto é, ele se comporta “conforme a banda toca”. É assim e pronto, vamos lá! Este é o seu pensamento, e fim de conversa. O ímpio não pondera as coisas do ponto de vista espiritual. Ele está “preso” à consciência coletiva, e “caminha com a manada”. Todos seguem adiante, ele vai; viram à esquerda ou à direita, ele vira; voltam atrás, lá vai ele. Isso é até normal no contexto do ser humano: o mundo material, ou materialista, dita as regras, e se não temos um quê a mais, seremos como todos. A “imersão” nesse mundo nos faz assistir a mesma novela, comentar as mesmas notícias, desfrutar das modernidades de acordo com o poder aquisitivo de cada um, ter o conhecimento mundano corrente, seguir a moda (querer estar na moda, de mais a mais), nos acostumar com a violência, com a corrupção em todos os sentidos, enfim, cobiçar, invejar, ser, ter, saber, uns mais, outros menos, mas é assim que “caminha a humanidade”. Isso, a meu ver e guardadas as devidas proporções, é ser um “autômato”, sem sensibilidade adequada, e viver a vida em um nefasto “sonambulismo”, “empurrado” pelo tempo e pela turba.

Ora, alguém (muitos) pode estar “enredado” nessa “teia viva”, e ser bom e piedoso, ser uma pessoa ética, e ter bom caráter, mas, mesmo assim, falta-lhe o que de mais precioso há nestas bandas para o ser humano: a presença de Deus Pai em sua vida, por Jesus. Eu não sei como se faz e como se dará o Juízo de Deus e, por isso, não sei se todos esses bons predicados lhe serão suficientes para alcançar a salvação. Porém, viver sem Deus Pai é um “crime” para a própria pessoa, talvez, um “suicídio” (espiritual) em vida, com sérios e severos reflexos pós-morte. A ausência de Deus é igual a uma existência vazia e pobre, fugaz, própria de um autêntico “autômato” ou “sonâmbulo”. O ímpio “endurece o seu rosto” justamente porque não faz como faz o reto, que “considera o seu caminho”. Acontece que o justo, ou o reto, só “considera o seu caminho”, porque tem Deus em seu coração. É a Sabedoria de Deus que o move, o leva e que o impele a considerar os seus caminhos. Vereda nenhuma presta se o Senhor não estiver nela. Quem “considera o seu caminho” não “endurece o seu rosto” para as coisas essenciais da vida, para o próximo e, especialmente, para Deus. Tal distinção, do verso, marca a diferença entre ser ímpio, perdido, ou justo e reto, salvo (de si próprio, inclusive), em Jesus.

© Amor-Perfeito

Frases Etc. (Rubem Alves)

.

“Não é a sua vida que vai mal. É a sua alma” – Rubem Alves.

.

Jó 37: 5.

* 1mVersículo 1aVerdade *

“A voz de Deus troveja maravilhosamente; faz grandes coisas que nós não compreendemos” – Jó 37: 5.

A Voz de Deus comparada a um trovão. Trovão e, provavelmente, relâmpago também. Poder e Luz, associados. É uma maravilha da Natureza tanto o trovejar como o relampejar, e a chuva. Quando eu era pequeno lembro-me de algo que me fascinava sempre, e me dava uma sensação de serenidade, prazer, e de segurança: o cheiro da chuva. Ozônio. Grama molhada. Terra úmida. Chuva e sol. Sol e chuva. Lindo de se ver: água é vida. Mal sabia eu que um dia em minha vida, no futuro, tudo isso faria sentido e seria reunido em Jesus. O trovão, se nos pega de surpresa, é um susto garantido. E o relâmpago que frequentemente o antecede, quase nunca nos dá tempo de nos prepararmos para o estrondo que virá a seguir. Depois cai a chuva, “água do céu”, muitas vezes de forma copiosa. Eu gosto de chuva. Sei que por vezes ela causa estragos e desesperanças, mas gosto dela. Às vezes peço perdão a Deus porque me agrado com uma chuva forte e, ao mesmo tempo, tenho consciência de que pessoas estão “lá fora” passando algum sufoco. Talvez seja “besteira” minha esse pensamento, talvez não, Deus é Quem sabe. De todo modo, eu não tenho controle algum sobre ela, a chuva, ninguém tem.

Contudo, é uma bonita metáfora do Poder de Deus, comparar a Sua Voz ao estrondo de um trovão. E o Poder de Deus é maravilhoso, o Senhor faz maravilhas. A figura de linguagem do verso nos ensina, ainda, que Deus tem soberania em tudo o que faz. Deus é Deus, Soberano. A Voz de Deus (o Verbo) tem poder ilimitado, e Seu “trovejar” é Lei, se cumpre. O Senhor faz grandes coisas, e grandes coisas que não compreendemos. O Senhor faz muitas coisas, porém, do mesmo modo que Ele encobre o céu e o sol com nuvens, e vem a chuva, Ele nos encobre o significado e a compreensão de muitas coisas que acontecem no Mundo, conosco e à nossa volta. Há situações extremamente difíceis de aceitarmos, tais como a pobreza, as guerras, a violência, as dores. Há muita coisa que está acima dos nossos limitados entendimentos. O sistema mundano é ruim e nefasto, e o homem é mau e egoísta, geralmente, e se preocupa somente e comumente consigo mesmo, em satisfazer os seus próprios e particulares interesses. Mas há um Deus no Céu, acima das nuvens, quando chove e desaba a tempestade.   

Esse é outro bendito enfoque que nos dá a comparação do verso: mesmo quando não vemos, Deus está lá. A chuva cai, o dia é cinzento, mas o céu está acima das nuvens, intocado, e lá estão também o sol, a lua e as estrelas, se for dia ou noite. Sabemos disso. Sabemos que estão lá. E devemos saber que nos nossos dias mais cinzentos, Deus também está presente. Jesus, Emanuel, Deus conosco, sempre conosco: Ele nunca nos abandona. E para que a água caia do céu, necessário se faz a formação de nuvens e, por vezes, elas vêm acompanhadas de potentes ventos, relâmpagos reluzentes e de “maciços” trovões. Mas a água que cai se transforma em vida, alimenta a vida, a água simboliza e está relacionada com a vida, tanto física como espiritualmente falando. A turbulência de uma tempestade ou de uma chuva forte nos leva a Deus. A fúria dos elementos nos remete ao Criador. São as maravilhas de Deus, que nos trazem vida, e vida em abundância. Mas é preciso enfrentar a impetuosidade das águas de Deus, para que essa vida se faça presente em nós. Dentro de nós. E se isso tudo nos traz vida, nós devemos confiar em Deus, ainda que não entendamos muitas das coisas que Ele faz. Nós somos aperfeiçoados pelo Poder de Deus, e o trovejar do Poder de Deus, muitas vezes, nos “vira do avesso”. Nenhuma criança gosta de ser disciplinada nem de enfrentar eventuais “castigos”, e ninguém há que goste dos reveses da vida. Porém, com ou sem chuva, o Senhor está sempre conosco. Em meio a fortes relâmpagos e trovões, não importa a intensidade das águas, pode ser a pior das intempéries, uma violenta tormenta, ou mesmo um furacão, lá está Ele, conosco. Sempre. Pai.

© Amor-Perfeito

Frases Etc. (Dallas Willard)

.

“O nosso projeto de uma vida de aperfeiçoamento na vida do Reino de Deus deve se estruturar em torno das disciplinas de vida espiritual, em Jesus” – Dallas Willard.

.